Fernandes sobre processo contra o Figueirense: 'É um constrangimento muito grande' Ricardo Duarte/Agencia RBS

Foto: Ricardo Duarte / Agencia RBS

Um ídolo contra seu clube de coração, é o que aconteceu com o Fernandes há poucos dias. O maior artilheiro do Figueirense foi à Justiça do Trabalho cobrar do salários atrasados e outros direitos. A saída do ex-jogador do clube foi conturbada. Na época, a decisão da diretoria gerou polêmica entre os torcedores alvinegros.


• Figueirense terá de pagar salários atrasados ao ídolo Fernandes
• Veja nota de Cacau Menezes em seu blog
.: Confira as campanhas dos cinco grandes de SC no Campeonato Brasileiro

O assunto voltou a tona depois que o colunista do Diário Catarinense Cacau Menezes publicou uma nota que revelava que o clube foi condenado a pagar salários atrasados, verbas rescisórias, multas e outros direitos ao ex-jogador. Segundo a advogada Manoella Costa Molon, do escritório Mosimann, Horn & Advogados Associados, que defende o atleta, além do que o clube não pagou, há diferenças que precisam ser calculadas sobre o que já foi pago. Isso porque a justiça trabalhista entendeu que os valores dados pelo clube ao jogador a título de direito de imagem, direito de arena e auxílio-moradia têm natureza salarial e devem integrar a sua remuneração para o cálculo de diversos benefícios, como férias e 13º salário.

— Tem valores de 2011 quando reduzi meu salário para ficar no clube e em troca pedi uma premiação por resultados. Classificamos para a Copa Sul-Americana e até hoje não me pagaram — contou Fernandes.

O atleta explica que tentou um acordo com o clube quando saiu do Figueirense . No entanto, a diretoria não teria demonstrado interesse. Por isso, Fernandes alega que entrou na Justiça.

— É um constrangimento muito grande. Ir na frente de um juiz contra o Figueirense. Para receber eu não tinha como entrar contra o presidente ou diretor financeiro. Tive que entrar contra o clube — explicou Fernandes.

Fernandes já recebeu convites para voltar ao clube, no entanto, não aceitou por não querer trabalhar com a atual diretoria do Figueira.

— Não tem um dia na minha vida que não penso no que aconteceu. Primeiro foi uma surpresa muito grande o que aconteceu comigo. Essa questão de trabalhar no Figueirense é um sonho e tenho uma expectativa muito grande — contou.

O Diário Catarinense procurou o Figueirense, que através de sua assessoria de imprensa disse que o clube não vai se pronunciar sobre o assunto e que o advogado do clube está trabalhando nos casos.

Todo mundo tem

O Figueirense não é o único clube de Santa Catarina com problemas na Justiça do Trabalho. Todos os cinco grandes times do Estado tem processos na Justiça. A Chapecoense é a que tem menos, apenas um processo de uma ex-funcionária. O Avaí possui mais casos, a maioria de ex-jogadores do clube. O JEC tem alguns que já foram resolvidos, na maioria com acordos entre as partes. Já o Tigre, em sua maioria, sofre processo de ex-funcionários do clube.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história