Criado como volante na base do Avaí, Marrone diz saber aproveitar a lateral André Podiacki/Agência RBS

Foto: André Podiacki / Agência RBS

Marrone foi uma das apostas do técnico Hemerson Maria no Avaí  em 2012. O treinador conhecia o volante das categorias de base do Leão e ao assumir o comando da equipe profissional deu uma oportunidade a Glekson Marrone Pires Santos, um garoto de Ouro Preto do Oeste, interior de Rondônia.

::: Leia mais notícias sobre o Avaí
::: Confira a tabela e os próximos jogos da Série B

Dois anos depois, o jogador criado na Ressacada teve que reconquistar seu espaço. No início da temporada o clube queria emprestar o atleta para o Marcílio Dias, como foi feito com o atacante Anderson Lopes, mas Marrone não aceitou.

— Eu e o Anderson Lopes no começo do ano iríamos ser emprestados, ele foi e eu não quis. Esse ano o clube está usando e a gente espera que continue assim. Sei como é difícil estar lá, muitos meninos da base podem ajudar o profissional, muitas vezes eles pensam só em contratar, mas a solução está lá — disse o jogador em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira.

Marrone ficou em Florianópolis e com a chegada do técnico Geninho recebeu uma nova oportunidade no Leão, desta vez na lateral esquerda. Volante de origem, o garoto teve que se adaptar e passou a treinar cruzamentos e finalização com a perna esquerda, afinal é destro.

— Ser um jogador versátil em campo ajuda. No começo foi difícil, mas soube aproveitar e consertei os erros, devagarzinho. Eu faço treinamentos de cruzamento e de finalização com a perna esquerda, eu me esforço.

Jogando há 12 jogos na lateral, Marrone já pensa em mudar de posição:

— Esses dias eu estava pensando se ia virar lateral, mas tenho que pensar no agora. No momento sou lateral, como volante não tenho espaço agora, o professor vem me dando moral e quem sabe lá na frente eu vire lateral.

Visual e piadas

Marrone adota o visual black power o que acaba gerando várias piadas dos colegas de equipe:

— Eu queria deixar crescer meu cabelo desde 2009, mas quando eu deixei pela primeira vez minha vó, com quem moro, disse que não ia me dar presente. Ano passado eu deixei, eles ficam me zoando, falam que sou o Jackson Five, leão velho, a brincadeira faz parte, tem que aproveitar a descontração. E para cabecear não tem problema, a gente cabeceia com a testa.

No sábado, às 16h20min, o Avaí enfrenta o Náutico pela 27ª rodada da Série B.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história