Morre Alexandre Pandóssio, goleiro campeão da Copa do Brasil com o Criciúma em 1991 Caio Marcelo/Agencia RBS

Alexandre Pandossio posou para foto no ano passado com a faixa de campeão da Copa do Brasil

Foto: Caio Marcelo / Agencia RBS

A terça-feira de Carnaval amanheceu mais triste para os torcedores do Criciúma e admiradores do goleiro que fez história na década de 1990 pelo Tigre. Aos 53 anos, Alexandre Pandóssio sofreu parada cardíaca, foi levado ao hospital, mas acabou falecendo no início desta tarde.

::: Criciúma lamenta falecimento do ídolo Alexandre Pandóssio
::: Amigos relatam minutos finais e relembram momentos com o goleiro
::: Pandóssio deixa dor e saudades em Criciúma
::: Criciúma lamenta morte do ídolo campeão da Copa do Brasil de 1991

O ex-goleiro, que atualmente trabalhava como comentarista da Rádio Som Maior, passou mal na manhã desta terça-feira enquanto jogava futevôlei no Balneário Rincão, município a 26 quilômetros de Criciúma. Ele foi encaminhado em estado grave ​ao Hospital São José, em Criciúma, e deu entrada na UTI perto do meio dia. Faleceu de infarto do miocárdio no início da tarde, às 13h45min.

Pandóssio era quem defendia o gol do Tigre na conquista do título da Copa do Brasil de 1991. Também ajudou o time a erguer três taças do Catarinense, em 1990, 1991 e 1993.

::: Confira a página especial do Campeonato Catarinense

Outro grande feito foi a disputa da Libertadores de 1992 pelo Criciúma. O time do Sul do Estado foi o primeiro do grupo na primeira fase e avançou até as quartas de final, quando foi eliminado pelo São Paulo de Raí, Palhinha e Müller, treinado por Telê Santana. O Tricolor Paulista seria campeão mundial naquele ano.

Natural de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, Pandóssio, antes de atuar em Criciúma, passou por Noroeste e Mogi Mirim. Chegou ao Tigre em 1990 e lá ficou até a temporada de 1996. Antes de encerrar a carreira como profissional, jogou ainda no União Barbarense e Gama, pelo qual foi campeão da Série B em 1998 e do Campeonato Brasiliense em 1998 e 1999.

Reveja no vídeo algumas das melhores defesas de Pandóssio em 1991 e entrevista concedida ao programa Marcou no Esporte, de 2010:

Em 2007, depois de ganhar experiência como auxiliar técnico no próprio Criciúma, estreou como treinador no Atlético Rondoniense. No ano seguinte, comandou o Cidade Azul (hoje Tubarão). Em 2010, foi a vez de treinar o Imbituba, time para o qual retornou em 2012 — dirigiu o Próspera, de Criciúma, em 2011.

Pandóssio é o segundo campeão da Copa do Brasil de 1991 a falecer. O primeiro foi o atacante Adilson Gomes, que morreu de aneurisma cerebral em 1996. O técnico Roberto Cavalo, ex-volante e também campeão com o Tigre em 1991, mal pôde acreditar quando recebeu a notícia.

— A ficha não caiu. Quando veio a notícia na primeira hora eu já fiquei bastante preocupada, mas acreditei que não ia dar nada. O Alexandre era exemplo nosso, atleta que se cuidou a vida inteira. Não consigo acreditar que aconteceu. Infelizmente perdemos um grande amigo, um ídolo que jamais vai ser esquecido. Na minha opinião, goleiro como ele não vai existir nunca mais no campo do Criciúma. Tenho muita história com ele. A gente sabe que sempre foi diferenciado. Ninguém está preparado, ninguém sabe o dia de amanhã. Vamos orar pra família, porque não é fácil — disse à Rádio Difusora, de Içara

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história