Chefe da arbitragem não entra em polêmica com o Flu e defende tecnologia no futebol Rafael Ribeiro/CBF/Divulgação

Foto: Rafael Ribeiro / CBF/Divulgação

O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, evitou polemizar e não rebateu as críticas feitas pelo presidente do Fluminense, Peter Siemsen, após a partida contra o Palmeiras, no Maracanã, na noite de quarta-feira, quando o mandatário se mostrou irritado com um pênalti marcado pelo árbitro Leandro Vuaden.

Roberto Alves: "A arbitragem já passou dos limites nos erros"
Fluminense abre vantagem sobre o Palmeiras na semifinal no Maracanã

Corrêa afirmou entender a indignação do dirigente. No entanto, afirmou que é preciso o uso da tecnologia no futebol para auxiliar os árbitros, que na opinião dele, não têm mais como conduzir as partidas sem estes recursos.

— Nós respeitamos, o dirigente é o torcedor número um de sua equipe. Mas eu insisto: no momento atual, não existe mais nada a fazer em termos de treinamento em relação à arbitragem. Nós temos que trazer o vídeo, trazer a tecnologia para ajudar aquele ser humano que está sozinho e sendo atacado por todos os lados. Não existe nenhuma pessoa no mundo que possa trabalhar sob pressão e a gente querer tranquilidade. Isso é impossível - afirmou Sérgio, comentando sobre o lance do pênalti de Gum em Zé Roberto, que converteu a cobrança:

- Nós temos que falar pela TV ou pelo campo? No campo de jogo, no ângulo de visão que eu imagino que ele tenha visto, o jogador, zagueiro, tentou virar para disputar a bola e tocar nas costas do Zé Roberto. Essa é a visão dele. E quem estivesse atrás do gol teria essa mesma impressão. Só que eu não entro na questão da interpretação porque o árbitro está aí, e tem menos de um segundo para deliberar se é penal ou não penal. Aí o Zé Roberto, que é um jogador que nós conhecemos, que não simula, um jogador que não reclama. Tem todas os indicadores positivos para o árbitro interpretar como toque. Tivemos nessa partida um gol milimetricamente anulado pelo assistente número 2, Javel, do Rio Grande do Sul, que foi muito bem anulado aos olhos da TV. Se ele tivesse deixado seguir e a equipe visitante tivesse feito o segundo gol, iriam discutir o milímetro.

Santos bate o São Paulo e fica perto de final da Copa do Brasil

Com a vitória, o Fluminense jogará pelo empate na partida de volta, marcada para a próxima quarta-feira, no Allianz Parque, em São Paulo, para chegar à final. Apesar do pênalti e das reclamações do presidente e dos jogadores do Fluminense, Sérgio Corrêa afirmou não temer uma pressão acima do normal para o próximo confronto.

— Tudo é ingrediente. São situações que aumentam um pouquinho, mas os árbitros chegaram num nível de maturação que estão acostumados com esse tipo de declaração — disse.

Chapecoense perde para o River, mas gol de Maranhão mantém esperança de classificação

Sobre o uso de tecnologia no futebol, Sérgio Corrêa se disse confiante na aprovação de um projeto neste sentido pela International Board (International Football Association Board), órgão que regulamenta as regras do futebol, em 2016.

— Projeto praticamente aceito. Mas temos que aguardar a reunião de março da International Board. Eles gostaram muito. E mostraram entender essa necessidade. Agora é aguardar. Sinalizaram que vão aprovar e que o Brasil será um dos países a testar isso. Restam detalhes técnicos. Estamos confiantes na para 2016 — disse Sérgio Corrêa.

*LANCEPRESS

LANCEPRESS
 Veja também
 
 Comente essa história