Uma líder sem títulos: como a Bélgica foi parar na ponta do ranking da Fifa Martin Bureau/AFP

Foto: Martin Bureau / AFP

A próxima seleção número 1 do mundo não se classificou à fase final da Eurocopa em 2004, 2008 e 2012, caiu nas quartas de final da Copa do Mundo em 2014 e jamais comemorou um título oficial. Uma fórmula complexa e que não dá nenhum valor a títulos — apenas a vitórias e empates em qualquer jogo — garantiu à Bélgica a liderança no ranking da Fifa a partir da atualização do mês de novembro. É como se um piloto se tornasse campeão da Fórmula-1 sem vencer uma única corrida ao longo da temporada.

Guilherme Becker: de que adianta a data Fifa?

No formato adotado desde 2006, valem os pontos conquistados em qualquer partida, a importância do duelo, a força do adversário e das confederações continentais às quais os rivais pertencem. O valor de cada jogo é contabilizado para o ranking por quatro temporadas — mas tem o seu peso gradativamente reduzido anualmente.

De olho na eleição da Fifa, Platini entrará com recurso contra a suspensão

As seleções não ganham nenhum bônus pela conquista de um campeonato. Por isso, equipes campeãs recentemente, como Alemanha (Mundial de 2014) e Chile (Copa América), estão atrás de países que não conquistam nada há algum tempo — como a Argentina — ou nunca levantaram uma taça com suas seleções principais — como a Bélgica, que tem como único feito o ouro olímpico dos Jogos de Antuérpia 1920, com sua seleção amadora.

Ex-mulher defende Joseph Blatter de acusações de corrupção na Fifa

O valor da Copa
Na Copa do Mundo, a Bélgica somou 70,782 pontos em cinco partidas — quatro vitórias e uma derrota. Como as partidas foram disputadas há mais de um ano, a pontuação atualizada é de 35,391. A campeã Alemanha somou 138,23 pontos durante a campanha do título mundial — que valem hoje 69,11. Apesar da diferença significativa, os resultados depois do Mundial fizeram os belgas crescerem no ranking.

O ranking da Fifa é calculado com base na multiplicação de cinco fatores

O que explica o sucesso belga
A seleção de Hazard compensa a falta de títulos com a regularidade. Nos últimos 12 meses, a Bélgica disputou dois amistosos — ganhou da Islândia e da França — e oito partidas pelas Eliminatórias da Euro — vitórias sobre Chipre (duas vezes), Israel (duas vezes), Bósnia e Herzegovina e Andorra; além de um empate e uma derrota para o País de Gales.  A Alemanha fez campanha parecida, mas viu sua pontuação do Mundial perder valor a partir de agosto.


No mesmo período, a Alemanha também entrou em campo em 10 oportunidades. Foram três amistosos — vitória sobre a Espanha, empate com a Austrália e derrota para os Estados Unidos — e sete jogos pelas Eliminatórias da Euro — triunfos sobre Gibraltar (duas vezes), Geórgia (duas vezes), Polônia e Escócia, além de uma derrota para a Irlanda.

A pontuação no ranking se dá pela multiplicação dos seguintes fatores:
Fator M — pontos conquistados no jogo
Fator I — importância da partida
Fator T — força da seleção adversária
Fator C — força da confederação continental
Há quantos meses a partida ocorreu

Exemplos dos pontos somados por Bélgica e Brasil nos últimos jogos

Bélgica 3x1 Israel
Pontos conquistados no jogo — 3
Importância da partida — 2,5
Força da seleção adversária — 1,53
Força da confederação continental — 0,99
Valor por ter ocorrido nos últimos 12 meses — 1
Resultado — 11,36

Brasil 3x1 Venezuela
Pontos conquistados no jogo — 3
Importância da partida — 2,5
Força da seleção adversária — 1,31
Força da confederação continental — 1
Valor por ter ocorrido nos últimos 12 meses — 1
Resultado — 9,825

* ZH Esportes

 Veja também
 
 Comente essa história