United e City ficam no 0 a 0 no clássico de Manchester pelo Inglês Paul Ellis/AFP

Foto: Paul Ellis / AFP

Os dois rivais de Manchester fizeram neste domingo, em Old Trafford, um esperado clássico, que acabou não correspondendo às expectativas. Em um jogo muito disputado no meio-campo, as oportunidades de gols foram raras. E o justo 0 a 0 na casa do Manchester United acabou sendo melhor para o Manchester City, que retorna à liderança do Campeonato Inglês.

Cristiano Ronaldo é o único jogador de futebol entre os atletas mais valiosos de 2015

Com estes resultados, o Manchester City volta à primeira posição com 22 pontos, mas agora tem a companhia do Arsenal, que derrotou o Everton neste sábado. O Manchester United caiu para a quarta posição, com 20, e fica empatado com o West Ham, que está na frente pelos critérios de desempate.

Ainda lesionado, Messi não quer forçar seu retorno aos gramados

Os dois técnicos resolveram povoar os seus meios. Com muitos desfalques, Manuel Pellegrini escalou Fernando, Fernandinho e Yaya Touré para tentar dar liberdade a Sterling e De Bruyne, com Bony na frente. Louis van Gaal continuou deixando Memphis de fora e fez uma escalação parecida com a do rival, com Rooney isolado na frente, Martial e Mata logo atrás, com Herrera, Schneiderlin e Schweinsteiger, dando espaço para os laterais Valencia e Rojo.

Leia outras notícias de futebol internacional

As escalações tornaram o jogo travado no meio. Passar era difícil. Só mesmo com muita velocidade ou com algum erro rival, o que era raro. De Bruyne e Sterling buscaram tabelas, e o inglês chegou a finalizar, mesmo que bloqueado pela defesa. Do outro lado, Martial buscava jogadas individuais, Rooney aparecia bem, e Mata e Herrera estavam apagados. Até o meio do primeiro tempo, nenhuma chance de gol, e o lance que mais se destacou foi o choque entre Kompany e Rooney, abrindo a cabeça do atacante do United.

Na reta final do primeiro tempo, Yaya Touré se soltou e ainda conseguiu três finalizações, inclusive uma cabeçada perigosa que foi ao lado da trave. Já o United foi para o intervalo sem nem um chutinho sequer.

No segundo tempo, o United até foi para a frente e chegou a finalizar – embora sem nenhum perigo. Pellegrini não demorou a mexer e colocou Navas na vaga de Sterling. Entrou velocidade, saiu um pouco de técnica, e ficou por isso mesmo. Sem grandes mudanças práticas.

O time da casa acabou crescendo. Mata teve boa chance em vacilo da defesa do City, mas Hart foi mais rápido e fez a defesa. Van Gaal seguiu deixando Memphis no banco e optou pelo jovem Lingard no lugar de Mata. Na teoria, também não mudaria os posicionamentos. Os dois técnicos mostravam não estar com a ousadia em dia e mantinham as escalações.

Na reta final, Schweinsteiger saiu e veio Fellaini, dando gás na faixa central, enquanto Pellegrini sacou Touré para colocar o zagueiro Demichelis, fechando-se ainda mais. E as chances para os diabos vermelhos surgiram. Na reta final, Lingard ainda teve uma boa oportunidade, acertando o travessão após lançamento de Martial, e Smalling obrigou Hart a se esticar todo. Mesmo assim, nenhum placar além do 0 a 0 seria mais justo para o fraco jogo em Manchester.

LANCEPRESS
 Veja também
 
 Comente essa história