Guarda do Embaú se uniu após morte do surfista Ricardinho Felipe Carneiro/Agencia RBS

Prancha em que Ricardinho surfou pela última vez é guardada pelo tio dele

Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Um ano depois, é como se Ricardinho ainda estivesse presente na Guarda do Embaú, não só na lembrança das pessoas mais próximas e nas homenagens, mas também nas ações de quem cuida do local. O surfista nunca deixou de erguer uma bandeira hoje compartilhada por mais gente: a de uma Guarda mais organizada, pacífica e responsável do ponto de vista ambiental.

Um ano após morte de Ricardinho, mundo do surfe reverencia legado do atleta
Caso Ricardinho: Defesa tenta minimizar acusação contra ex-PM
Conheça os feitos de Ricardo dos Santos no surfe

Ainda há problemas, como barulho por parte de visitantes em momentos inoportunos e lixo em local inadequado. Há também pedidos de mais policiamento durante o inverno Mas a mudança começou.

– O pessoal ficou um pouco mais solidário. Tem que melhorar um pouco ainda, mas vejo o povo querendo buscar soluções, debatendo coisas que antes eram mais difíceis – comenta Fabrício Silveira de Souza, 30 anos, amigo de Ricardinho, com quem começou a surfar.

– As associações, tanto de moradores, do comércio e de pescadores, estão mais unidas. Foram criados grupos no Facebook para os moradores buscarem soluções. É um ponto muito positivo saber que a população não está de braços cruzados – completa William Zimmermann, 31 anos, outro amigo.

Surfista Ricardinho completaria 25 anos em 2015
Homenagem a Ricardinho na praia da Guarda do Embaú reúne 300 pessoas

Fabrício e William, que faziam parte da segunda família de Ricardinho, descrevem o amigo como alguém de personalidade marcante, que deixou histórias e saudade.
Para o tio Mauro da Silva, 36 anos, restou ainda a última prancha em que Ricardo surfou, na véspera do crime. A mesma que o jovem havia dado de presente ao tio.

– Lembro quando ele saiu para surfar pela última vez. Estava superfeliz, e ansioso porque ia para o Havaí – recorda Mauro.

– Eu o tinha como um ídolo. Só trazia felicidade. Gostava de voltar de uma temporada no Havaí para ficar em casa, com a família e os amigos – conta a tia Sonia Dalcema, 46 anos.

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história