Da esquerda para a direta: Eric da Costa (auxiliar técnico), Brian Neumeyer (Manager), Teddy Haley (técnico) e Zack Henry (presidente) Foto: Elm City Express / Divulgação

 

O Atlético Tubarão acaba de ganhar um time parceiro nos Estados Unidos. Foi lançado esta semana o Elm City Express em New Haven, estado de Connecticut, equipe que disputará a National Premier Soccer League (NPSL). O clube ainda está em fase de montagem do elenco, mas em breve os dois times devem anunciar parcerias. Isso porque a equipe norte-americana pertence ao mesmo grupo de investidores do Tubarão, a K2 Soccer.

Em fevereiro deste ano, a comissão técnica vem ao Sul de Santa Catarina para uma troca de experiências. O time estadunidense se prepara para a competição nacional, que será realizada entre maio e agosto, enquanto as diretorias estudam iniciativas de intercâmbio educacional e absorção de atletas entre os dois países. A partir de agora, a K2 Soccer passa a contar com uma base nos Estados Unidos com a responsabilidade de gerenciar a operação americana.

— Eu costumo comparar o futebol nos Estados Unidos a um trem-bala parado na estação: ou você entra antes que ele parta ou ficará de fora da viagem. Nós estamos fazendo a nossa parte. Eu tenho certeza que o futebol brasileiro ganha muito com esse tipo de relacionamento entre Tubarão e Elm City — explica Luiz Henrique Martins Ribeiro, presidente do Tubarão e agora vice-presidente do Elm City.

O Elm City Express utilizará o Reese Stadium, da Yale University, terceira instituição de ensino superior mais antiga do país. O local, que já serviu de campo de treinamentos para a Seleção Brasileira em 1995, será palco dos jogos oficiais do clube. O time foi oficialmente aceito pelo comitê organizador da NPSL em 15 de novembro do ano passado.

Leia mais:
"A palavra que impera aqui é planejamento", diz Mabília, que comanda o Tubarão no Estadual
Emergente no Catarinense, Tubarão se define como uma startup para modernizar o futebol
Zagueiro com passagem pelo Avaí é anunciado no Tubarão

 Veja também
 
 Comente essa história