Rússia diz que documentário sobre hooligans é antipropaganda da Copa Leon Neal/AFP

Torcedores russos e ingleses se envolveram em batalhas nas ruas de Marselha, na França, durante a Eurocopa de 2016

Foto: Leon Neal / AFP

Autoridades russas criticaram, nesta sexta-feira, o documentário sobre "hooligans" divulgado pela BBC, que mostra torcedores organizados russos garantindo que a próxima Copa do Mundo de 2018 vai ser um "festival de violência".

Segundo a alta cúpula do país, o vídeo é uma antipropaganda produzida para descreditar a Rússia como organizadora do evento.

Leia mais:
Suárez acredita em virada do Barcelona na Liga dos Campeões
Wenger vai continuar como técnico, dentro ou fora do Arsenal
Zidane relaciona Bale para jogo do Real contra Espanyol

— Temos que ficar acima de tudo isso. É uma campanha que tem como único objetivo nos descreditar — declarou o vice-primeiro-ministro, Vitaly Mutko. — A Rússia garante medidas de segurança aprovadas pelo Estado. Sabemos das nossas obrigações — insistiu Mutko, que é chefe do comitê organizador do Mundial.

O chefe de segurança da Federação Russa de Futebol (RFU), Vladimir Markin, denunciou que a informação do documentário era totalmente falsa.

— É uma propaganda grosseira — declarou Markin à imprensa local.

O encarregado pela segurança acrescentou que se trata de um trabalho "para evitar que os torcedores ingleses venham aproveitar a Copa, não tem outro objetivo".

O documentário mostra vários torcedores organizados russos garantindo que haveria muitas brigas com outros torcedores de seleções nacionais, especialmente os ingleses.

Segundo as palavras de um dos hooligans, a Copa do Mundo "vai ser um festival de futebol para uns e um festival de violência para outros". A TV inglesa entrevistou membros do Orel Butchers, organizada do Lokomotiv de Moscou que protagonizou brigas durante a Eurocopa de 2016, na França.

Um dos membros do grupo afirma que, mesmo com as medidas de segurança impostas pelas autoridades, "muitos russos vão se organizar para brigar com os ingleses". As batalhas foram comuns no ano passado, sobretudo em Marselha, entre russos e ingleses. Vários brigões russos foram extraditados da França.

— Nossos homens são mais perigosos do que as forças especiais", advertiu um dos hooligans.

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, declarou na quinta-feira que "não está preocupado com o problema e que confia plenamente nas autoridades russas".

*AFP

 Veja também
 
 Comente essa história