Após marcar três gols, volante Andrei Girotto lembra dos tempos de atacante no Metropolitano Márcio Cunha/Especial

Contra o Tubarão o volante Andrei Girotto marcou três gols em 25 minutos

Foto: Márcio Cunha / Especial

Depois de marcar três gols pela  Chapecoense na vitória por 7 a 0 diante do Tubarão, domingo, pelo Campeonato Catarinense, o volante Andrei Girotto recebeu dezenas de mensagens de amigos. Ele ainda não tinha marcado com a camisa da Chapecoense, mas revelou que, apesar de jogar como volante, em que a principal função é a marcação, tem intimidade na área adversária.

— Desde novo eu jogava como meia ou atacante na base e fazia alguns golzinhos, como volante, no profissional, às vezes que subo e tenho facilidade para fazer gols — explicou.

Só que na Chapecoense ele afirmou que demorou para isso acontecer. Uma hora o goleiro pegava, outra dava na trave ou então a bola ia para fora.

Girotto lembrou que foi no Metropolitano, onde se profissionalizou, que acabou deixando de ser atacante para jogar como volante, entre 2011 e 2012.

— Não era titular quando comecei no profissional e num treino faltou volante. Então entrei para quebrar o galho, fui elogiado, gostei e acabei ficando na posição — revelou o jogador.

Em entrevista coletiva nesta segunda-feira, o jogador, que já passou pelo Palmeiras e Kyoto Sanga, do Japão, disse que a goleada diante do Tubarão dá confiança ao time para seguir na briga pelo título do returno. O próximo desafio é o Almirante Barroso, na quarta-feira, no Estádio Camilo Mussi, que é de grama sintética.

— A gente não está acostumado e eles jogam e treinam lá, é uma coisa nova e a gente te que se adaptar rápido para igualar o jogo — projetou Girotto.

Para quem se adaptou de atacante para volante, não deve ser tão difícil. Ele só espera que o próximo gol não demore tanto.



 DC Recomenda
 
 Comente essa história