DNA Canarinho: a temporada dos 23 convocados da Seleção Brasileira Arte DC / Arte DC/Arte DC

Foto: Arte DC / Arte DC / Arte DC

Os 23 jogadores da Seleção Brasileira convocados para buscar o hexa da Copa do Mundo são conhecidos por todos, mas é hora de olhar de perto os números de cada um por seus clubes na temporada e entender as informações que os levaram a serem escolhidos pelo técnico Tite para representar o gene do futebol brasileiro na Rússia.

Leia mais notícias sobre a Copa do Mundo
Confira a tabela de jogos da Copa da Rússia

Unanimidade no gol
Goleiro da Roma, Alisson foi titular de Tite durante toda a campanha das Eliminatórias e está com moral no cenário internacional, com seu nome sendo ligado a possíveis transferências para os maiores clubes da Europa. Ederson também foi peça-chave no Manchester City de Pep Guardiola, campeão inglês com recorde de pontos, mas demorou a se firmar como o segundo goleiro da Seleção Brasileira, precisando vencer a concorrência com outros nomes. Cássio, sobre quem havia dúvidas da convocação até instantes antes da lista, dificilmente entrará em campo no decorrer do Mundial na Rússia.

Zaga experiente, laterais desgastados
Na defesa da Seleção, o nome de Miranda é a maior certeza. Marquinhos foi o titular ao seu lado na maior parte da campanha de Tite, mas a experiência de Thiago Silva pesa a favor do ex-capitão da equipe. Geromel terá de mostrar nos treinamentos que tem condição de brigar por um lugar como titular.

O maior problema está nas laterais. Cortado na última hora, Daniel Alves deu lugar a Danilo no lado direito. Fágner, que se recupera de lesão na coxa direita, começa a disputa atrás do companheiro. Na esquerda, Marcelo é unanimidade,enquanto Filipe Luís também se recupera de fratura na perna esquerda.

Meio mais criativo ou mais defensivo
Com variações táticas que mudam do 4-1-4-1 para o 4-2-3-1, o meio é o setor mais dinâmico da equipe. Mas parece haver pouca dúvida sobre quem jogará. Com Casemiro e Paulinho titulares, a interrogação está na escolha entre Willian, em ótima fase e que garante uma opção mais ofensiva, Renato Augusto, titular na maioria dos jogos, e Fernandinho, que dá mais poder de marcação. Neymar e Philippe Coutinho são inquestionáveis no setor.

Comando do ataque
Pelo histórico desde que assumiu a Seleção, Tite é fiel às suas escolhas. E, por isso, Gabriel Jesus será o comandante do ataque da equipe na Copa do Mundo. Em março, logo após o jogador se recuperar de lesão, ele foi titular e autor do gol da vitória por 1 a 0 sobre a Alemanha em amistoso. No entanto, Roberto Firmino vem em ótima forma e será uma grande sombra. O atacante do Liverpool pode ganhar ainda mais moral se conquistar o título da Liga dos Campeões sobre o Real Madrid.

Leia mais:
NSC terá enviados especiais na Copa 2018 para aproximar os catarinenses do Mundial

 Cacau: contusão de Daniel Alves tira muito da alegria que se esperava da Copa 

Roberto Alves: o que esperar da abertura da Copa da Rússia

 Veja também
 
 Comente essa história