Na chegada, Márcio Fernandes diz que primeiro desafio é mudar a condição mental do JEC Salmo Duarte / A Notícia/A Notícia

Márcio Fernandes comandou o primeiro treino do JEC na tarde desta quarta-feira

Foto: Salmo Duarte / A Notícia / A Notícia

O Joinville demonstrou nesta Série C falhas em posicionamento, bolas aéreas, bolas paradas e um sistema defensivo muito frágil. No entanto, nada disso foi comentado pelo técnico Márcio Fernandes em sua primeira entrevista coletiva como comandante tricolor. Na apresentação oficial, Márcio evitou análises profundas e preferiu citar apenas um problema do time: a condição mental. 

Segundo o paulista de 56 anos, a percepção de que o time não reage é algo unânime nos primeiros relatos passados a ele. De fato, nesta temporada o JEC se comportou mal quando esteve em situações adversas. Sempre que saiu atrás do placar, o Tricolor perdeu - foram dez ocasiões nesta temporada. 

O Joinville também foi derrotado nas duas ocasiões em que saiu na frente, mas tomou a virada - Avaí 2 a 1, pelo Catarinense, na Ressacada, e 3 a 2 diante do Cuiabá, no fim de semana passado, na Arena, pela Série C

- O que têm me passado e o que tenho pegado é que a equipe não está com a condição mental boa. Quando leva um gol, a reação do time é para baixo. Comparo com um boxeador: se você toma o primeiro soco, você deve agredir o adversário. Não pode se retrair e se abater no jogo. Temos de pensar grande, pensar em reverter os placares, reverter os resultados - afirmou. 

Márcio Fernandes também falou sobre como monta suas equipes dentro de campo. O treinador garantiu não ter um esquema tático preferido. A ideia dele é montar o time de acordo com as características do elenco. 

- Não sou adepto de nenhum sistema. Todos são bons desde que você tenha jogadores para executá-los.

Para o jogo de domingo, contra o Botafogo-SP, em Ribeirão Preto (SP), Márcio Fernandes reconheceu que não haverá grandes alterações - ele deve escalar uma base formada por atletas experientes. Ele espera apenas que a troca de treinador dê ao grupo uma nova motivação, algo comum no futebol.

- Há uma motivação diferente na troca do treinador. Quem não estava jogando, vai lutar mais. Quem está, quer provar mais. Espero que essa motivação possa nos trazer algo no domingo. 

 Veja também
 
 Comente essa história