Criciúma apresenta Doriva como técnico para 2019 Lariane Cagnini / Diário Catarinense/Diário Catarinense

Doriva assumiu o Criciúma para recuperar o time na próxima temporada

Foto: Lariane Cagnini / Diário Catarinense / Diário Catarinense

O Criciúma surpreendeu na manhã desta sexta-feira e anunciou Doriva como técnico para a temporada de 2019. A informação foi antecipada pelo jornalista Rodrigo Faraco, da NSC. Durante a semana, o nome que mais foi ventilado nos bastidores do Criciúma foi o de Roberto Cavalo, que contou com forte rejeição por parte da torcida. O treinador foi apresentado ao lado do novo assessor de futebol da presidência do Tigre, Ricardo Rocha.

Aos 46 anos, Doriva conta com passagens por grandes clubes do futebol brasileiro, como Atlético-PR, Vasco e São Paulo. A principal conquista, no entanto, foi com o Ituano em 2014, quando conseguiu levar a pequena equipe do interior ao título do Campeonato Paulista. O último trabalho foi no CRB, na Série B deste ano.

— Quero trabalhar muito para que o torcedor possa acreditar no nosso projeto e fazer um ano maravilhoso. Não é fácil, mas minha função será buscar aquele jogador que se identifica. Uma equipe que batalha, que briga pelo jogo — disse Doriva.

O treinador ainda não teve tempo de discutir o elenco para o ano que vem, mas o trabalho ao lado do executivo de futebol Nei Pandolfo deve começar imediatamente. Em uma projeção do que espera do grupo de trabalho, Doriva disse que a principal ideia é formar uma equipe competitiva.

— Vai ter o estadual para tirar muitas lições, mas já queremos ser fortes desde o início do ano, teremos que buscar no mercado atletas com esse perfil competitivo. A gente está alinhando algumas conversas agora, temos uma sequência de reuniões, e  vamos mapear os jogadores certos para montar uma equipe forte, competitiva. Fazer um grande estadual e se preparar para o Brasileiro, que é o objetivo do clube voltar para a Série A — projetou o novo treinador.

Entre as prioridades do novo grupo que trabalha no Tigre está recuperar a confiança do torcedor, que teve presença tímida nas arquibancadas do Estádio Heriberto Hülse ao longo da temporada.

— O resgate desse torcedor é o fundamental. Ele está triste, dolorido. Mas não importa o que passou. Agora, é daqui para a frente — enfatizou Ricardo Rocha.

Mais notícias do Criciúma 

 Veja também
 
 Comente essa história