Saiba escolher o filtro solar mais adequado para o seu tipo de pele Daniela Xu/Agencia RBS

Foto: Daniela Xu / Agencia RBS

Ter cuidado com a exposição ao sol é fundamental durante o ano inteiro. No entanto, a atenção deve ser maior se você é do tipo que curte uma praia. Alguns gaúchos ainda têm uma característica que os torna mais suscetíveis: a descendência europeia. Pessoas de tez clara, por terem menos pigmentação e, assim, menos proteção natural, estão mais propensas a sofrer queimaduras solares, que podem dar origem a casos de câncer. Portanto, como diria Pedro Bial, use filtro solar.

Para descobrir qual o tipo de filtro mais adequado para a sua pele, é sempre recomendado consultar um médico. ZH conversou com os dermatologistas Sérgio Celia, do Hospital São Lucas da PUCRS, e Gustavo Corrêa, presidente regional da Sociedade Brasileira de Dermatologia para esclarecer algumas dúvidas sobre o assunto. Confira:

Todas as peles podem receber o mesmo tipo de proteção?
Em média, o fator de de proteção solar (FPS), sigla que indica o grau de proteção aos raios ultravioleta do tipo B (UVB), mais baixo recomendado é o 30. Quanto mais clara for a pele, maior deve ser o FPS. Deve-se ter uma atenção especial nas áreas que ficam mais expostas, como rosto, orelhas, pescoço, colo e braços.

Quem tem a pele seca deve dar preferência a cremes e loções hidratantes. Já para os que possuem a pele oleosa, o ideal é utilizar gel ou loção oil-free (livre de óleo). Praticantes de esportes devem optar por protetores resistentes à agua, mas, ainda assim, é preciso retocar periodicamente o produto.

E os raios UVA?
A radiação ultravioleta A (UVA), incidente sobre a terra do raiar ao pôr do sol, é igualmente nociva. Assim, a indústria farmacêutica foi obrigada a dotar os filtros de Persistent Pigment Darkening (PPD). Portanto, é preciso ficar atento na hora de escolher o protetor: além de se preocupar com o FPS, é preciso pensar no PPD, que deve ser alto.

Aumento do fator mínimo de proteção reforça papel do filtro solar na prevenção do câncer de pele

Protetor ou bronzeador?
Muitas pessoas querem mesmo é ficar "da cor do pecado" no verão. Para isso, preferem o uso de bronzeadores. De acordo com os especialistas, esses produtos estimulam a pigmentação, mas não protegem a pele. Logo, seu uso não é recomendado.

E se não tiver sol?
Também há radiação nos dias nublados. Inclusive, as piores queimaduras podem ocorrer exatamente nos dias de muito vento ou mormaço, pois a pessoa não se dá conta que está queimando.

Estou protegido sob o guarda-sol?
Não. O guarda-sol até ajuda, mas não é 100%. Procure produtos com tecido mais grosso (os que são feitos de nylon, por exemplo, protegem muito pouco). Além disso, o sol é refletido na areia, logo, se o veranista não estiver com protetor, pode sofrer queimaduras graves mesmo estando sob uma sombra.

Quando é preciso reaplicar o protetor?
No dia a dia, é recomendado passar protetor pela manhã e ao meio-dia. Na praia e/ou na piscina, deve-se aplicar protetor a cada duas horas — ou até antes disso, caso você entre muito na água.

Lembrando que o filtro solar deve ser aplicado de 15 a 30 minutos antes da exposição ao sol, para que a pele absorva o produto corretamente. Também é recomendado evitar a exposição solar entre 10h e 16h, horário de pico da radiação.

Como aplicar corretamente o filtro solar nas crianças

 Veja também
 
 Comente essa história