A defesa mundial do meio ambiente não é apenas técnica, mas também política, porque são os países poderosos os que mais poluem a Terra, afirmou nesta segunda-feira na Bolívia o presidente equatoriano, Rafael Correa, pouco antes de chegar a um evento sobre mudanças climáticas.

"É um problema político, não apenas técnico, há um problema de relação de poder entre os que poluem e os que geram bens ambientais", afirmou o governante que, junto com seus colegas Nicolás Maduro (Venezuela) e o anfitrião Evo Morales, encerrará a conferência de movimentos sociais sobre mudanças climáticas.

Pouco antes de chegar ao evento no povoado de Tiquipaya, sob jurisdição de Cochabamba (centro da Bolívia), o presidente afirmou que "os poderosos são os que poluem e os menos poderosos, os países em desenvolvimento, são geradores de bens ambientais".

"Tudo está em função do poder: se os poluidores fôssemos nós e os produtores de bens fossem eles, há tempos teriam até nos invadido para exigir uma suposta compensação", ironizou.

Para o líder equatoriano, "é indispensável a união de nossos povos".

Correa está interessado, assim como seus dois colegas sul-americanos, na formulação de uma proposta a partir da sociedade civil que seja apresentada na Conferência Mundial sobre o clima (COP21) que será realizada em Paris de 30 de novembro a 11 de dezembro.

* AFP

 DC Recomenda
 
 Comente essa história