Mário Motta: Mel, a cachorra "quase humana", sumiu com medo dos raios e trovões Arquivo Pessoal/Arquivo Pessoal

Ela é uma fêmea de porte médio, pelagem cinza escuro e brilhante e atende pelo nome de Mel

Foto: Arquivo Pessoal / Arquivo Pessoal

Na última sexta feira (16), durante os trovões e uma descarga elétrica, o portão eletrônico da casa da Clarice "pirou" e por sua abertura a Mel saiu em desespero pois, como todo cachorro, ela também se assusta com trovões e raios.

E não foi mais localizada. A Clarice acha que ele tem algo de "humana", pois é extremamente dócil, adora um colo, uma rede e até senta-se sozinha na cadeira (como na foto) como se estivesse participando da conversa dos adultos.

Por tudo isso, ela está pedindo a ajuda de todos os que residem próximo ao Condomínio Vale do Sol (ao lado do Rede Park) no bairro São João do Rio Vermelho.

Ela é uma fêmea de porte médio, pelagem cinza escuro e brilhante e atende pelo nome de Mel.

Qualquer informação, liguem para a Clarisse e ajudem a preencher o vazio que a "quase humana" Mel deixou em sua casa e em sua família. Fone para contato: (48) 9912-7756.

Confira as notícias do colunista Mário Motta
Acompanhe as notícias da Grande Florianópolis
Curta a página da Hora de Santa Catarina no Facebook
HORA DE SANTA CATARINA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história