Professores e alunos da Univali protestam pela manutenção do Pibid em Itajaí Marcos Porto/Agencia RBS

Professores e estudantes mostraram um pouco do trabalho desenvolvido

Foto: Marcos Porto / Agencia RBS

Professores e alunos de licenciatura da Univali se reuniram nesta quinta-feira para pedir a manutenção do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), em Itajaí. As incertezas sobre a continuidade do projeto, mantido pelo governo federal, motivaram um protesto pacífico em todo país. Na cidade, cerca de 200 pessoas participaram de uma manifestação na Rua Hercílio Luz, no Centro.

Na Univali, 430 acadêmicos participam atualmente do Pibid e desenvolvem 26 projetos em 42 escolas municipais, 10 estaduais e nove centros de educação infantil. Em 2015, já houve um corte de aproximadamente 70 bolsas para professores e coordenadores, além da extinção da reserva de bolsas.

— O ministro da Educação está anunciando que o programa terá ajustes. Por isso, nos reunimos para mostrar à comunidade os trabalhos desenvolvidos através do programa, que incentiva a docência e a qualificação dos alunos. Queremos chamar a atenção para a importância de manter esse projeto — afirma a coordenadora institucional do Pibid na Univali, Adair de Aguiar Mendes.

O Pibid repassa R$ 4,5 milhões por ano à universidade para investimento em bolsas, além de R$ 150mil para custeio de materiais. Estão envolvidos nas ações em Itajaí estudantes de Pedagogia, Música, Letras, Educação Física, História e Matemática. Para a professora e coordenadora de gestão do Pibid da Univali, Carla Carvalho, os cortes no programa vão afetar muitos acadêmicos.

— Para muitos o projeto é a possibilidade de formação e qualificação profissional, bem como um auxílio financeiro para pagar os estudos — explica.

Inserção no ambiente escolar

O acadêmico de História, Silas Teixeira, diz que possui bolsa do Pibid há dois anos. De acordo com ele, o programa possibilita a inserção do docente no ambiente escolar e uma melhor qualificação do professor.

— Dizemos não aos cortes no Pibid. Como é possível construir uma pátria educadora cortando recursos da educação — questiona.

O estudante de Música, Pedro Fernandes, comenta que o Pibid é uma oportunidade significativa para formação e troca de experiências:

— Participar disso e ter a orientação de um professor acrescenta muito na formação. Além disso, os alunos podem ter uma vivência musical que contribui muito na educação.

O SOL DIÁRIO
 DC Recomenda
 
 Comente essa história