Termotécnica desenvolve nova tecnologia para apicultura em Joinville Salmo Duarte/Agencia RBS

Desenvolvimento do produto ocorreu em Joinville e a comercialização começou em 2011

Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Apicultor experiente da Fundação 25 de Julho, em Joinville, Ingo Weinfurter, 54 anos, está animado com os resultados de uma nova experiência: o uso de embalagem de EPS (poliestireno expandido, mais conhecido como isopor) no lugar da caixa de madeira para a produção de mel.

O mesmo teste é realizado, desde maio deste ano, no apiário-escola do município, que fica próximo a Campo Alegre, e em seu apiário, em Guaratuba (PR).

Leia mais reportagens da Negócios & Cia no AN.com.br

A estrutura mais aconchegante oferece temperatura constante e proteção contra umidade no interior da caixa. Condições que liberam a abelha de muito trabalho paralelo para que ela possa focar naquilo que mais importa, o mel. No método convencional, as abelhas se esforçam para manter a temperatura em 37oC, explica Ingo.

Gastam energia produzindo própolis para fechar as aberturas e garantir o isolamento térmico. Mas o apicultor percebe que até agora não há própolis na abertura da caixa de isopor, sinal de que não sentiu necessidade de ajuste de temperatura.

Leia mais
Sistema que utiliza isopor como base reduz em até 40% o tempo de obras


A energia poupada no isolamento térmico está sendo revertida para aumentar a produção de mel e, ao que tudo indica, a colheita prevista para outubro será um sucesso.  

— Na caixa de madeira, se produzem, em média, 25 quilos de mel por colmeia em um ano. Acho que chegará a 30 quilos — prevê o apicultor.

Além de controlar a temperatura interna na colmeia, a abelha também precisa desidratar o néctar. Em dias chuvosos, Ingo diz que a caixa de madeira fica úmida, enquanto que a de isopor permanece seca por dentro, dispensando a tarefa de controle da umidade. Mais uma forma de economizar energia. Espera-se que, ao final, as abelhas também fiquem menos estressadas, tornando-as mais saudáveis.

Inspiração na Alemanha

Antes de chegar à Fundação 25 de Julho, a caixa de abelhas de isopor foi amplamente estudada por especialistas da Universidade Federal de Maringá (PR), em parceria com a Termotécnica, maior indústria transformadora na América Latina de EPS. A solução é considerada inédita no Brasil.

Para ingressar no mercado da apicultura nacional, a empresa de Joinville se inspirou em experiências bem-sucedidas na Alemanha e buscou apoio de apicultores e pesquisadores. A caixa segue as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

De acordo com o diretor comercial da Termotécnica, Adriano Vendramini Dessimoni, convencer os apicultores sobre as vantagens do produto não acontecerá da noite para o dia, pois o mercado é pulverizado, com atuação familiar e a forma de produzir mel é repetida há gerações. 

— Cada apicultor precisa ter certeza de que funcionará para ele — afirma.

A fabricação, ainda em pequenos volumes, ocorre na unidade da Termotécnica de São José dos Pinhais (PR), e o primeiro mercado em prospecção é o do Rio Grande do Sul.  Lá, a empresa começou com o pé direito.

Em julho, no lançamento oficial, o produto recebeu o prêmio destaque na categoria equipamento, durante a 5ª Mostra de Inovações Apícolas do 19º Seminário Estadual de Apicultura, realizado em Santa Cruz do Sul. 

— Fizemos muitos contatos, iniciamos e engatilhamos vendas. As expectativas de aceitação da caixa Mais Mel são as melhores — afirma a gerente comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues.

Enquanto isso, Ingo Weinfurter vai repetir a experiência da caixa de isopor para colheita em 2016 nos três apiários monitorados atualmente, pois cada um está sob um tipo de clima e de ambiente.

Perto de Campo Alegre, por exemplo, o apicultor está curioso para saber qual será a reação da irara diante da nova caixa. O animal onívoro é visto com frequência por ali e já recebeu o temido apelido de “papa-mel”.



A evolução das embalagens

Caixas de madeira
Na década de 1970, a madeira, um dos produtos mais usados em embalagens mais antigas, era amplamente usada para o condicionamento de produtos hortícolas. Eram bastante utilizadas também as sacarias de juta e as de plástico começaram a chegar ao mercado no final desta década.

Caixas de papelão
A década de 1980 seguiu, de certa forma, o ritmo da anterior. Poucos produtores começaram a utilizar as caixas de papelão no  final dos anos 80. Os produtores de batata e cebola ainda usavam sacos de juta e plástico.

Caixas de plástico
Na década de 1990, o plástico começa a ocupar espaço como embalagem retornável
na comercialização de frutas e hortaliças em detrimento da madeira. Nas exportações para a União Europeia, a caixa de papelão passou a ser requisito básico. No finalzinho do século 20, surgiram os sacos de nylon.

Caixas de plástico dobráveis
No início do século 21, as caixas de papelão e de plástico já estavam mais difundidas. As caixas de plástico dobráveis surgem no final dessa década no Brasil. Neste século, surgem os sacos de clone.

Caixas de isopor
Nos anos mais recentes, surgem as embalagens de isopor. As caixas de papelão também são amplamente usadas. Os contentores de plástico retornáveis e dobráveis são as embalagens preferenciais dos hortifrútis comercializados com as grandes redes de supermercados. Porém, alguns produtores ainda usam caixa de madeira. Atualmente, todos os materiais de sacaria ainda são utilizados.

Termotécnica aposta no ramo do agronegócio desde 2010

A caixa de abelhas, lançada oficialmente em julho, é apenas uma das apostas da Termotécnica para o agronegócio, setor que passou a ser olhado como estratégico a partir de 2010. Desde então, a companhia realiza pesquisas para saber de que forma pode inovar e gerar valor para o mercado. 

— A busca da inovação tornou-se uma questão de sobrevivência, ela é necessária para crescer — afirma o diretor comercial, Adriano Vendramini Dessimoni.

Um dos frutos deste trabalho foi o desenvolvimento da embalagem de isopor para uvas. As caixas são utilizadas na cidade de Petrolina (PE) por produtores do Vale do São Francisco, importante produtor de frutas e hortaliças. O diferencial do isopor está na maior proteção do alimento durante o transporte.

Segundo a empresa, a temperatura é mantida constante, a embalagem não absorve a umidade da fruta, o que poderia reduzir seus nutrientes, e é mais rígido do que o papelão, outro material muito utilizado no transporte. 

— Na cadeia do Vale do Rio São Francisco, a conservação da uva aumentou sete dias em relação à caixa de papelão quando colocada em temperatura ambiente — explica a gerente comercial da Termotécnica, Maida Rodrigues.

Durante o desenvolvimento do produto, a empresa se deparou com alguns desafios. Não se tratava apenas de fazer a melhor caixa, mas fazê-la chegar ao cliente. As caixas de papelão são montadas pelo próprio cliente, mas a Termotécnica entrega a caixa pronta, e o produtor não tinha um local fechado disponível para armazenagem.

A empresa desenvolveu, então, o hiperkit, um grande pacote com várias embalagens, conforme a necessidade de estoque e sazonalidade do produto, que pode ser armazenado externamente.

Como a tonelada do isopor custa o dobro da do papelão, a indústria se empenhou em fazer as contas para o cliente, mostrando o quanto ele poderia ganhar com a adoção da nova solução. Uma das vantagens percebidas pelo cliente foi chegar a mercados mais distantes porque o alimento demora mais para estragar.

Filial em Petrolina

A caixa também traz ao seu redor uma larga fita que serve para comunicação do produtor com o consumidor final. Ali, pode expor a marca e informações sobre a fruta. O produto também foi adaptado com reforços nas colunas para aguentar sobrepeso, já que são transportadas empilhadas. As de baixo precisam suportar o peso de todas as que estão em cima.

Todo o desenvolvimento do produto ocorreu em Joinville e a comercialização começou em 2011, mas como o transporte de isopor custa caro, a empresa optou por construir uma fábrica em Petrolina (PE), em 2014, consolidando a operação local que antes era feita em imóvel alugado.

Desde o início do projeto, a empresa dobra a participação naquele mercado ano a ano. Para Vendramini, a uva é somente a primeira aplicação, pois todos os alimentos perecíveis e delicados podem se beneficiar da embalagem.

A NOTÍCIA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história