Violência contra a mulher é tema da redação no Enem 2015 Félix Zucco/Agencia RBS

Foto: Félix Zucco / Agencia RBS

Mantendo seu histórico de temas sociais, a redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2015 cobrou de milhões de candidatos que refletissem neste domingo sobre "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira". Mais do que isso: pediu que, além de uma análise sobre o problema, os estudantes contribuíssem com uma proposta de intervenção, pensando em uma possível solução.

AO VIVO: acompanhe o segundo dia de provas do Enem 2015
A partir das 19h, ZH faz correção das provas e divulga gabarito extraoficial

A proposta, ainda que não cause surpresa em um exame marcado pela questão social em diversas esferas, foi bem recebida por professores e entidades ligadas à luta pela igualdade de gênero. No primeiro dia de provas, outra pergunta relacionada foi cobrada dos estudantes em uma questão de Ciências Humanas: o feminismo, apresentado na forma de uma citação da filósofa e escritora francesa Simone de Beauvoir.

— Esse assunto vem ao encontro das questões ligadas à cidadania que o Enem sempre traz. Estava mesmo faltando falar da mulher: em um momento em que se trata tanto da igualdade de gênero, é importante o candidato pensar em uma das maiores manifestações da desigualdade, que é justamente a violência — avalia a professora de Linguagens do Universitário Maria Tereza Faria.

Para a pesquisadora do Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Jane Felipe, os estudantes devem estar atentos ao fato de que a violência contra a mulher não envolve apenas agressões físicas.

— Muitos não se dão conta de que há comportamentos violentos, abusivos, que não envolvem a violencia física. Acho fundamental que essa questão seja discutida em todas as instâncias, inclusive entre os alunos do Ensino Médio — explica a professora.

Dez coisas para NÃO fazer antes e durante o Enem
Três estudantes dão dicas para se dar bem nas provas
Dicas de simulados e sites para testar conhecimentos na reta final
VÍDEOS: confira dicas rápidas para encarar o exame no Minuto Enem

O projeto Empoderamento da Mulher, com sede em Porto Alegre, também exaltou a proposta, lembrando a questão de sábado que cobrou dos alunos conhecimento sobre os protestos para garantir a igualdade de gênero.

"Não tem jeito melhor de acabar esse fim de semana do que ver que em um ano de tantos retrocessos (especialmente na educação), o Ministério da Educação ainda mostra que temos que persistir. Depois de citar Simone de Beauvoir na primeira questão da prova, vem essa surpresa maravilhosa em forma de tema de redação", afirmou o grupo em sua página no Facebook.

Não tem jeito melhor de acabar esse fim de semana do que ver que em um ano de tantos retrocessos (especialmente na educa...

Posted by Empoderamento da Mulher on Sunday, October 25, 2015

Como o Enem exige uma proposta de intervenção entre as competências da redação, os candidatos também foram instigados a pensar em uma solução para o problema. Para Jane Felipe, isso passa, em primeiro lugar, pela família, que deve ser exemplo de respeito aos direitos humanos. A escola, segundo ela, também tem participação: é o espaço em que se deve lutar, desde a infância, contra o preconceito e a desigualdade.

Leia as últimas notícias sobre educação

O tema, porém, não foi bem recebido por todos. Nas redes sociais, algumas pessoas contestaram o assunto proposto na prova, sugerindo que o Enem trazia um viés feminista. A hashtag #enemfeminista ganhou coro no Twitter ao longo da tarde, mas manifestações como #machistasnãopassarão também repercutiram.

Também pelas redes sociais, os deputados Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Marco Feliciano (PSC-SP) contestaram a "doutrinação imposta" pela prova. Para Bolsonaro, "o sonho petista em querer nos transformar em idiotas materializa-se em várias questões" do Enem. Segundo Feliciano, "esse texto se encaixa como luva na teoria de gênero, apesar de questionável por se tratar da opinião de uma mulher polêmica (Simone de Beauvoir)".

 DC Recomenda
 
 Comente essa história