Palmas e Lagoa do Peri recebem a Bandeira Azul, maior certificação de qualidade das praias do mundo Emerson Souza/Agencia RBS

Lagoa do Peri, em Florianópolis, recebeu a bandeira devido aos programas de gestão para garantir a qualidade do espaço

Foto: Emerson Souza / Agencia RBS

A balneabilidade é apenas um dos critérios para avaliação de uma praia ou marina quando o assunto é receber o certificado de qualidade Bandeira Azul. O símbolo, que fica hasteado durante toda a temporada, é uma certificação com respaldo da ONU, Organização Mundial de Turismo, Organização Mundial de Saúde e Ministérios do Turismo e do Meio Ambiente nacional, e comprova que o lugar tem um projeto de sustentabilidade para manter as características de um bom lugar para curtir o verão.

DC pelas praias: acompanhe nossa cobertura de verão
Confira as principais notícias de SC

No Brasil, apenas cinco praias e duas marinas receberam a Bandeira Azul para a temporada 2015/2016, e duas delas estão em território catarinense: Palmas, em Governador Celso Ramos, e Lagoa do Peri, em Florianópolis. Ambas receberam a bandeira pela primeira vez neste mês de dezembro.

Praia de Palmas, em Governador Celso Ramos, também integra a lista dos sete locais com excelência ambiental Foto: Charles Guerra / Agência RBS

— A Bandeira Azul na Lagoa do Peri foi um trabalho de gestão, que proibiu churrasco, ordenou o estacionamento e passou a gerir o lugar, o premio foi uma consequência. Em Palmas eles queriam a certificação e trabalham para atender os critérios. Foram colocadas lixeiras, projetos de educação ambiental, postos salva-vidas — avalia Leana Bernardi, diretora técnica do Programa Bandeira Azul no Brasil.

Iniciativa recicla bitucas de cigarro na Praia do Rosa, em Imbituba
Confira 8 dicas para fugir do tédio em dias de chuva no litoral de SC  

A Praia de Palmas é tão criteriosa na gestão que o poder público costuma hastear a bandeira apenas quando a praia está toda limpa. Fato que precisa de dedicação e educação: com aproximadamente 3 quilômetros, é a maior praia em extensão com Bandeira Azul do pais.

— Cada lugar tem um inspetor que faz os trabalhos de acompanhamento. A qualquer momento, se os critérios não forem atendidos, a bandeira pode se retirada, de 1 a 10 dias, ou até por toda a temporada — explica Leana.

Da França a Santa Catarina

O Programa Bandeira Azul iniciou na França em 1985 e, em 1987, passou a incluir outros países da Europa. A partir de 2001 ampliou para outros continentes e em 2006 chegou ao Brasil. O programa é gerido ONG Fundação para Educação Ambiental (Foundation for Environmental Education - FEE ) e inclui praias marítimas, fluviais e marinas.

Para uma praia receber a classificação da Bandeira Azul, a prefeitura precisa encaminhar a solicitação para as instituições responsáveis em cada país e então entrar no projeto piloto, que dura dois anos. No Brasil, o Instituto do Ambientes em Rede (IAR), antigo Instituto Ambiental dos Ratones, em Florianópolis, é o responsável pela avaliação do programa em todo o país. 

— Eles são mais exigentes no que diz respeito à qualidade de água no Brasil do que na Europa. Ou seja, numericamente falando, em coliformes fecais nossos números devem ser melhores para atender a lei nacional. Essa diferença está pelo fato de no Brasil, as águas serem mais tropicais e quentes se comparadas a Europa — explica Leana.



 Veja também
 
 Comente essa história