Alunas catarinenses participam de competição mundial de tecnologia Betina Humeres/Agencia RBS

Algumas das meninas das equipes de Florianópolis

Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Rayany Wasen estuda em uma escola pública no bairro Ingleses, em Florianópolis, e sonha em ser DJ, comissária de bordo ou programadora. A última profissão entrou na lista de desejos da garota de 14 anos há cerca de três meses, quando começou a participar do Technovation Challenge Florianópolis, competição mundial para meninas em tecnologia, que tem como objetivo incentivar as garotas a entrarem no mundo dos bytes e do empreendedorismo. 

Neste sábado, em Florianópolis, serão escolhidas as equipes vencedoras da Região Sul. Um projeto do ensino médio e outro do fundamental serão eleitos para a próxima etapa e dos 10 times, nove são catarinenses – sendo sete de Florianópolis, um de Balneário Camboriú e outro de Chapecó – e um da cidade Irati, no Paraná. A equipe que passar por todas as fases e vencer a etapa mundial recebe US$ 10 mil do Google. Rayany será uma das cerca de 40 meninas entre 10 e 18 anos que vão apresentar os protótipos de aplicativos para celular aos jurados. No caso do time dela, a ideia é facilitar a adoção de animais abandonados, cadastrando cães e interessados.

Mulheres representam somente 24,3% do empreendedorismo tecnológico em Santa Catarina

– Uma vez encontramos um cachorro aqui perto da escola e sentimos dificuldade em encontrar alguém para adotar – conta Rayane, sobre como teve a ideia.  

Usar a tecnologia para resolver os problemas da vida real é um dos grandes desafios. Há ainda aplicativos para divulgar eventos da comunidade, do time da Janet Latipova, 12 anos, da mesma escola de Rayany, que percebeu que no seu bairro "tinha muito eventos, mas nem todo mundo ficava sabendo". Outros projetos são para facilitar a comunicação entre escola e pais, combater o mosquito Aedes aegypti e até a violência. 

Uma das embaixadoras do Technovation Challenge Florianópolis, Júlia Machado reforça que o objetivo do programa, que ocorreu pela primeira vez em SC, é fazer com que as meninas conheçam a área de tecnologia antes de escolher uma profissão: 

— Muitas das meninas não têm esses exemplos de mulheres envolvidas com tecnologia na vida delas e ouvem falar tanto que Florianópolis é um polo de desenvolvimento tecnológico. Temos que mostrar para elas que elas também podem pertencer a esse mundo. 

Cada equipe contava com uma mentora da área de tecnologia. Uma delas foi Lívia Amorim, designer da empresa Resultados Digitais, reforçando que esse tipo de projeto é fundamental para incentivar a capacitação e a formação de mão de obra feminina neste setor. 

– Com o Technovation as meninas se empoderam e veem que também podem fazer. Elas não faziam ideia que a primeira programadora do mundo era uma mulher, por exemplo. 

Veja todas as notícias de Tecnologia

Prova disso é que na escola Professora Herondina Medeiros Zeferino, onde Rayany estuda, outras meninas começam a sonhar em ser programadora, conta a professora de tecnologia educacional Giselle de Medeiros. E esse sonho, pelo menos ao que parece, nunca esteve tão perto. 

O que é o Techovation Challenge

É hoje a maior competição do mundo para meninas em tecnologia. O programa começou em 2010 na Califórnia. Em 2013, a competição foi aberta globalmente pela primeira vez e contou com a participação de mais de 600 meninas de países como Índia, China, Indonésia, Nigéria e Brasil. Neste ano é a primeira vez que tem times em Santa Catarina. 

O programa mundial é mantido pela ONG americana Irisdescent, que estimula meninas a desenvolverem um projeto que resolva um problema social, através do uso da tecnologia. As equipes recebem o auxílio de uma mentora, mulher que trabalha no setor de tecnologia e empreendedorismo. O trabalho é voluntário e a participação gratuita. Serão selecionados em Florianópolis um time de Ensino Fundamental e um time de Ensino Médio que passam para a semifinal da competição, junto com outros times do Brasil, e vão concorrer com times da América Latina. As vencedoras vão para etapa final nos Estados Unidos, onde concorrem a 10 mil dólares do Google, para tornar o projeto um negócio real.

Avó, mães e filhas catarinenses demonstram a evolução do feminismo dentro da família

Rayany (esquerda) e Julia da equipe Carousel Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Conheça os projetos catarinenses

Ensino Fundamental

Equipe Angel Beach - Florianópolis
Waifu:
 oferece um canal de comunicação entre os pais e a escola, através dos bilhetes que podem ser enviadas pelos professores para os pais e vice-versa, além dos boletins escolares. O aplicativo visa aumentar o acompanhamento dos seus filhos na aula, visto que, a grande maioria acaba nunca tendo tempo para ir até a escola conversar com professores e diretores. 

Vitória (esquerda), Brenda e Júlia da equipe Angel Beach Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Equipe Grace - Florianópolis
Adeus Aedes
para contribuir para a diminuição do número de casos de vírus transmitidos pelo mosquito Aedes Aegypti, foi criado o aplicativo que tem um quiz para avaliar o nível de conhecimento do mosquito, além de fornecer informações sobre os sintomas das doenças.

Equipe Little Flowers -  Florianópolis
PAPo 10: o
 aplicativo foi desenvolvido para ser um meio de comunicação digital entre toda a comunidade escolar, professores, pais e alunos. Ajudará a otimizar o tempo, organizar os estudos, matérias das provas, trabalhos e a comunicar-se com os professores. 

Equipe Happen Five - Florianópolis
Check and Go
promove a interação entre as pessoas do bairro permitindo que a própria comunidade crie e participe de eventos criados, sendo de lazer, sociais ou de mobilização para melhoria do bairro. 

Janet, uma das integrantes da Happen Five Foto: Betina Humeres / Agencia RBS

Equipe Carousel - Florianópolis
Pet Goal
é um aplicativo para aproximar pessoas com um interesse em comum: a adoção de animais de estimação. Com ele você pode cadastrar um animal para doar ou escolher seu próximo companheiro 

Ensino Médio

Equipe Não me Kahlo - Florianópolis
Easy Bike
oferece compartilhamento de rotas mapeadas, informações sobre empréstimo de bike, plataforma para denúncias e sistema geolocalizador pin my bike. 

Equipe Yabá Bëló - Florianópolis
Iuris
é um mapa colaborativo gratuito que exibe rotas amigáveis para diferentes indivíduos. Foi criado para pedestres que sentem dificuldade em andar nas calçadas da cidade e querem descobrir a melhor opção de caminho.

Equipe Khadris - Chapecó
Strong Roses
traz informações sobre prevenção do câncer de mama e registro da data de realização do exame preventivo que deve ser realizado periodicamente, além de possibilitar o acompanhamento do tratamento com registro de diário e medicamentos.

Equipe Granger - Balneário Camboriú
Hora de Falar
é destinado à realização e visualização de denúncias sobre violência. Para realizar uma denúncia basta preencher alguns dados, como, por exemplo, o tipo de agressão sofrida (física ou verbal), podendo ser de forma anônima ou não. 


 Veja também
 
 Comente essa história