Preço médio de plano de saúde em SC é o mais alto da região Sul, aponta levantamento da ANS Salmo Duarte/Agencia RBS

Foto: Salmo Duarte / Agencia RBS

Quem depende de plano de saúde no país desembolsa em média R$ 610,24 por mês. É o que aponta a 4ª edição do Painel de Precificação, publicação anual da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), divulgada nesta segunda-feira. 

Santa Catarina não foge da média nacional. No Estado, um plano de saúde custa em torno de R$ 603,29, o mais caro da região Sul. No Rio Grande do Sul, a média é de R$ 570,42 e no Paraná, R$ 563,69. SC é o 17º estado com o preço mais elevado do país. 

Mais de 61 mil pessoas abrem mão de planos de saúde desde março do ano passado em Santa Catarina

Para chegar a esses valores, foram selecionados os preços da faixa etária dos 44 aos 48 anos de planos de segmentação "Ambulatorial + Hospitalar" e tipo de contratação "Individual ou Familiar" referente a dezembro de 2015.

Nesta análise, verifica-se que São Paulo apresentou o menor valor comercial para essa segmentação e contratação, entre todos os Estados e o Distrito Federal: R$ 423,41. No outro extremo da tabela, Roraima obteve o maior valor comercial médio: R$ 706,78. Dentro de cada Estado foi verificada uma variação de até R$ 72,73 nos valores. 

— Essa faixa etária e a segmentação foram selecionadas por serem as que melhor refletem estatisticamente a equivalência entre os planos e porque demonstram pouca flutuação de valores, apresentando uma maior estabilidade em relação às demais faixas etárias — diz a diretora de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS, Karla Coelho. 

Novas regras para operadoras de plano de saúde entram em vigor 

Também é apresentada a posição relativa ocupada pelos estados em 2014, além da variação percentual entre os valores comerciais médios de 2015 e 2014. Santa Catarina subiu duas posições e teve uma variação de 16%

Gasto de planos de saúde com disputas judiciais dobra em dois anos 

Ceará e Maranhão subiram 11 posições no ranking de 2015 em comparação a 2014, com variação de -3,1% e 3%, respectivamente, nos valores, enquanto Tocantins perdeu sete posições, com aumento percentual de 25,6%.

Unimed esclarece como fica o atendimento com fechamento de unidades na Grande Florianópolis

 Veja também
 
 Comente essa história