Foto: Felipe Carneiro / Agencia RBS

Uma comissão representando a Irmandade responsável pela organização da Procissão Senhor dos Passos esteve na superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em Florianópolis na tarde desta segunda-feira. O grupo pediu a retomada do processo para que a manifestação religiosa — a mais antiga do Estado — seja reconhecida Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. Este ano, a 251ª Procissão Senhor dos Passos ocorrerá nos dias 1º e 2 de abril, nas ruas do Centro da Capital.

De acordo com Luiz Mário Machado, provedor da Irmandade, o encontro foi bastante positivo. Segundo ele, o Iphan pediu uma série de documentos e vai seguir o levantamento de informações para comprovar a importância cultural da procissão. O processo iniciou há três anos. Para a Irmandade, este reconhecimento ajudará a dar visibilidade para o evento, além de promover o turismo de Florianópolis e o Hospital de Caridade — onde fica a Capela do Menino Deus que abrigou a imagem do Senhor Jesus dos Passos em 1764, ano que a escultura chegou a Florianópolis.

Leia mais
Confira o trajeto da 251ª Procissão Senhor dos Passos em Florianópolis
Procissão Senhor dos Passos espera há três anos o título de patrimônio cultural brasileiro


Em resposta à reportagem da Hora, o Iphan já havia comunicado no dia 16 de março que seriam necessário mais material como fotos, vídeos, documentos e depoimentos para que o processo fosse avaliado pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que é responsável pelo parecer. De acordo com a assessoria de imprensa do instituto, os técnicos acompanharam todas as edições do ato desde 2012 reunindo depoimentos, fotografias, vídeos e bibliografia.

Esse material foi analisado na 31ª reunião da Câmara Técnica do Patrimônio Imaterial em novembro do ano passado, mas foi considerado insuficiente para ser avaliado pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que é responsável pelo parecer.

"Desse modo, foi feito novo encaminhamento para complementação da pesquisa, que deve ser conduzida ao longo de 2017, conforme previsto no planejamento de ações e recursos do Iphan/SC para o ano", explicou a assessoria em nota.

Tradição e história

A Procissão Senhor dos Passos acontece desde 1766 sempre 15 dias antes da Páscoa. Em 2016, mais de 60 mil pessoas acompanharam os dois dias de cortejo à imagem do Senhor Jesus dos Passos. A tradição começou dois anos depois de a escultura chegar a Florianópolis.

Esculpida em madeira, a estátua deveria ter sido entregue a uma igreja em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, no Rio Grande Sul.O barco que a levava parou por aqui para abastecer, mas não conseguiu seguir viagem em decorrência de fortes tempestades. Foram três tentativas sem sucesso. Com isso, a tripulação acreditou que se tratava de um sinal divino e que a imagem deveria permanecer em Florianópolis.

A estátua representa a primeira queda de Jesus a caminho do Calvário. Em tamanho natural, mostra Cristo ajoelhado no chão segurando a cruz no ombro esquerdo. Ele usa uma túnica roxa com bordados dourados. A imagem preza pelo realismo, mostrando o sofrimento de Jesus.

Os cabelos até hoje são cuidados por um cabeleireiro, além disso, uma estilista confecciona as roupas usadas pela imagem.

Réplicas são expostas nas paróquias

Para democratizar a devoção pelo Senhor Jesus dos Passos, a Arquidiocese de Florianópolis distribuiu algumas réplicas pelas paróquias da cidade.

Veja quais são elas:
— Catedral Metropolitana - Centro;
— N. S. do Desterro e Alexandria - Centro;
— Igreja São Francisco - Centro;
— Igreja Nossa Senhora de Lourdes e São Luís - Agronômica;
— Igreja da Santíssima Trindade – Trindade;
— Capela Militar Cristo Rei – Trindade;
— Templo Ecumênico do Campus da UFSC - Trindade;
— Igreja de São Francisco Xavier - Monte Verde;
— Igreja Santo Antônio - Santo Antônio de Lisboa;
— Igreja de Nossa Senhora de Guadalupe - Canasvieiras;
— Santuário do Sagrado Coração de Jesus - Ingleses;
— Igreja de Nossa Senhora da Imaculada Conceição - Lagoa da Conceição;
— Igreja Santa Terezinha do Menino Jesus - Prainha;
— Igreja da Boa Viagem - Saco dos Limões;
— Igreja João Maria Vianney - Rio Tavares;
— Capela Santa Catarina de Alexandria do Colégio Catarinense - Centro;
— Santuário de Nossa Senhora de Fátima - Estreito;
— Igreja Nossa Senhora do Carmo - Coqueiros;
— Igreja Santo Antônio - Campinas - São José;
— Igreja São João Batista e Santa Luzia - Capoeiras

 Veja também
 
 Comente essa história