Não dê carona para o sono  Associação Brasileira do Sono/Divulgação

Foto: Associação Brasileira do Sono / Divulgação

Você dorme poucas horas durante a noite. Vai para a cama tarde e, na manhã seguinte, já bem cedinho, está em pé novamente para recomeçar a correria. A sua rotina é assim? Então, muito cuidado se for dirigir. Segundo dados da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), o sono e o cansaço representam 60% dos acidentes de trânsito ocorridos nas estradas brasileiras. Para tentar reverter esta situação, a Academia Brasileira de Neurologia (ABN), em parceria com várias outras entidades lança hoje em todo o território nacional a campanha Não Dê Carona Para o Sono. A data foi escolhida para dar o start na campanha porque 18 de março é o Dia Internacional do Sono.

Acompanhe as colunas de Viviane Bevilacqua

O assunto é realmente muito sério e urgente. Já perdi amigos que dormiram no volante do carro e de moto e vi muitas tragédias deste tipo acontecerem nas estradas. Segundo pesquisa realizada pela Abramet, pelo menos 20% dos motoristas confessam que têm o hábito de dirigir cansados e com sono (embora eu acredite que este número é muito maior). O problema é a falta de consciência de que conduzir um veículo neste estado é muito perigoso, por colocar a própria vida e a dos outros em perigo. Um cochilo no volante é o que basta para provocar uma tragédia.


O conceito de uma "boa noite de sono" varia de pessoa para pessoa. Para a maioria, dormir de sete a oito horas por noite é o ideal, mas existem aqueles que se sentem descansados com menos. Mas quatro, cinco ou seis horas é pouco, e aí é que mora o problema: esta é a média de sono de boa parte da população brasileira. O presidente da ABN, neurologista Gilmar Prado, explica que quem dorme pouco com certeza vai apresentar algumas deficiências de funcionamento cerebral, por esgotamento.


O que fazer então? Se realmente for impossível dormir mais tempo, as dicas dos especialistas são dar uma pausa na viagem, parar em um posto, tomar uma xícara de café forte, procurar não dirigir logo após o almoço, tentar sempre ter um companheiro de viagem para que possam ir conversando para evitar pegar no sono. Porém, o ideal mesmo é descansar o suficiente para que a pessoa se sinta descansada e disposta antes de assumir o volante. Se os sintomas de distúrbio do sono continuarem, o melhor é buscar a opinião de um médico especialista. 

Leia as últimas notícias do Diário Catarinense





 Veja também
 
 Comente essa história