No dia 17 de maio de 1990, a homossexualidade foi excluída da Cid – Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS). Esta data ficou conhecida como o Dia Internacional de Combate à Homofobia, quando movimentos sociais, organizações e pessoas que lutam pelo respeito à diversidade sexual aproveitam para realizar atividades, protestos e campanhas de conscientização.

Para marcar a data, conheça cinco canais do YouTube mantidos por catarinenses e que colocam em pauta assuntos relacionados à diversidade:

Luan Poffo

O estudante de jornalismo de Ibirama fala de assuntos sérios com bom humor. Neste vídeo fofo que já ultrapassou 108 mil visualizações, ele conversa com a irmã Liz, de cinco anos, sobre sentimentos e o fato dele namorar um homem.

Daniel Bonfim

Dono do Puta Canal, Daniel também é estudante de jornalismo e trata de diversas questões do universo gay, com vídeos que dizem o que cada religião fala sobre os homossexuais (acima, com participação do colega Luan Poffo), relações entre pais e filhos e aplicativos de relacionamento, por exemplo. Alguns deles são recomendados para maiores de 18 anos. 

Fernanda e Johanna

No canal, o casal de garotas de Blumenau mostra a rotina, tira dúvidas dos espectadores e fala sobre assuntos como aceitação da família e relacionamento, como neste vídeo que mostra como elas se assumiram lésbicas e começaram a namorar.

Louie Ponto

Louie, de Florianópolis, criou o canal que leva seu nome em 2008. Inicialmente previsto para divulgar músicas autorais, mais recentemente o espaço no YouTube vem sendo dominado por vídeos que garantem a visibilidade lésbica a partir da própria experiência da mestranda em Literatura. 

Luba

Um dos youtubers catarinenses mais famosos, Luba, de Tubarão, é conhecido pelas zoeiras e brincadeiras que publica em seu canal. Mas também tem espaço para falar de sexualidade, como neste vídeo em que, ao lado da mãe, relembra o momento em que se assumiu para a família. O vídeo tem mais de 2,6 milhões de visualizações. 

Leia mais:

Conheça catarinenses que abrem espaço à diversidade na internet

Projeto oferece assistência gratuita às vítimas de violências de gênero na Grande Florianópolis

Rafael Martini: câmara aprova PL do nome social e de reconhecimento da identidade de gênero em Florianópolis




 Veja também
 
 Comente essa história