Rio Uruguai sobe mais de 10 metros, mas previsão é de estabilizar Juliana Vinhas/Agencia RBS

Aumento da vazão do Rio Uruguai preocupa moradores de São Carlos, no Oeste

Foto: Juliana Vinhas / Agencia RBS

O Rio Uruguai já atingiu 10,3 metros acima do nível normal em Itapiranga, alagou uma das avenidas da cidade, interrompeu o acesso para o distrito de Sede Capela e linha Presidente Becker, mas a previsão é de que comece a estabilizar nas próximas horas.

O nível está subindo 12 centímetros por hora, mas não deve chegar aos 11 metros se não mudar o cenário de chuvas, que já vem diminuindo de intensidade na região. O motivo é que desde às 15h a hidrelétrica de Foz do Chapecó, que fica no rio Uruguai entre Águas de Chapecó e Alpestre, está mantendo a vazão em 18 mil metros cúbicos por segundo, entre o volume utilizado na geração de energia e o que é liberado pelo vertedouro. O que preocupa um pouco é que o Rio Chapecó continua aumentando a vazão, chegando a 1,5 mil metros cúbicos por segundo.

Tanto a Foz do Chapecó Energia S. A., quando a Engie, que administra as hidrelétricas de Machadinho e Itá, aumentaram a vazão dos vertedouros antecipadamente para poder diluir o maior volume, que foi nesta quarta-feira. Na cheia de 2014 chegou a ser vertido quase 30 mil metros cúbicos por segundo. Mesmo assim o volume é grande e assusta os moradores da região.

— É bem assustador, a gente tirou o que pode de casa — afirmou o vendedor Kleyton Wickert, que mora em Chapecó mas na tarde desta quarta-feira foi com o pai, o aposentado Antônio Wickert, retirar os móveis e eletrodomésticos da casa que a família tem no balneário de Pratas, em São Carlos. Quando saíram a água chegava perto da calçada.

— Levamos tudo na casa de parentes pois em 2014 perdemos tudo — lembrou Kleyton.

Outra moradora do balneário de Pratas, Andréia Duarte, também perdeu todos os móveis em 2014.

— Saí de casa com a água na cintura e os móveis boiando — lembra.

Depois do susto ela resolveu mudar-se para um local mais alto. Nesta quarta-feira, foi ajudar outros moradores a retirar ou erguer os móveis. Boa parte do balneário já ficou alagado. O mesmo ocorreu no balneário da Hidroeste, em Águas de Chapecó.

O sargento Valter Luciano Hüning, comandante dos Bombeiros de São Carlos, disse que foi realizada uma reunião com a Defesa Civil, prefeitos de São Carlos e Águas de Chapecó, policiais, bombeiros e demais entidades, para avaliar a situação.

Ele também confirmou a informação de que o nível do rio estava estabilizando e que não haveria necessidade de retirada além das 17 famílias que foram comunicadas durante o dia, pois estavam em área de risco.

— As medidas tomadas foram corretas e devemos seguir monitorando toda a noite — disse Hüning.

Uma nova avaliação será feita às 8h da manhã. No site www.fozdochapeco.com.br é possível acompanhar os dados hidrológicos da hidrelétria Foz do Chapecó de hora em hora. 

Leia também:

Aulas são suspensas em pelo menos quatro regiões do Estado devido às fortes chuvas 

Defesa Civil de Santa Catarina alerta para risco de deslizamentos no Litoral Norte e no Vale do Itajaí

Quinta-feira tem chance de aberturas de sol na Grande Florianópolis e Norte de SC


 Veja também
 
 Comente essa história