Monitoramento aéreo avista 36 baleias-francas no Litoral de Santa Catarina Instituto Australis/Divulgação

Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 animais adultos solitárias

Foto: Instituto Australis / Divulgação

Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas de Florianópolis ao Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento. O sobrevoo foi realizado pela SCPar Porto de Imbituba como parte do Programa de Monitoramento de Cetáceos no Porto de Imbituba e Adjacências.

O número é superior ao monitoramento aéreo realizado em julho do ano passado, quando foram encontradas 29 baleias no Litoral do Estado. De acordo com a diretora de pesquisa do Instituto Australis/Projeto Baleia Franca, Karina Groch, a variação é normal pois leva em conta a alimentação dos animais no seu habitat natural.

— Observamos uma tendência de crescimento no número de baleias que chegaram à costa catarinense nos últimos anos. Percebemos que os ciclos de reprodução ocorrem a cada três anos e que o número de filhotes que vem para o Litoral está relacionado com a disponibilidade de alimento na Geórgia do Sul, região próxima da Antártida. Em anos que há menos alimento, também há menos animais que chegam até a costa — explica Karina Groch.

Apesar do sobrevoo ter se estendido até Torres, no início do Litoral do Rio Grande do Sul, o objetivo era localizar os animais que estão na costa catarinense. O município de Imbituba, no Sul do Estado, tinha a maior concentração das baleias avistadas, principalmente nas praias do Rosa, Barra de Ibiraquera, Ribanceira e Itapirubá.

A diretora de pesquisa do Instituto Australis explica que as baleias-francas procuram o Litoral para realizar a sua reprodução, já que a costa tem água mais quente e áreas protegidas, sem a presença de predadores como orcas e tubarões. Dessa forma, regiões como o Litoral catarinense acabam sendo procurados para que os animais possam criar seus filhos em melhores condições.

— Assim como nós, as baleias também são mamíferos, então tem corpo quente e precisam de locais que não sejam tão frios para criar seus filhotes. Estamos estudando os motivos que levam esses animais a buscar a costa de Santa Catarina. O que sabemos é que há uma preferência pela Área de Proteção Ambiental Baleia Franca do Estado por conta da temperatura da água, proteção da enseada e aspectos da topografia — completa a diretora de pesquisa do Instituto Australis.

Outros monitoramentos estão previstos

Esse foi o primeiro sobrevoo aéreo realizado neste ano, já que a partir do mês de julho as baleias da espécie Eubalaena australis começam a se aproximar do Litoral catarinense para se reproduzir. Elas devem ficar próximas da costa no Estado até novembro, enquanto usam o período para acasalar e cuidar dos seus filhotes.

Outros dois monitoramentos devem ser realizados em 2018: em setembro, quando há o pico de reprodução da espécie, e outro em novembro, no fim da temporada. Os dados colhidos durante o monitoramento são importantes para realizar o censo dos animais marinhos, com a identificação das baleias e golfinhos que visitam a região pela localização e fotos registradas.

— Todos os animais avistados são catalogados por meio de fotografia das calosidades que elas têm em cima da cabeça, que são únicas para cada animal, como se fosse uma digital — aponta Gilberto Ougo, oceanógrafo da Acquaplan Tecnologia e Consultoria Ambiental, atual contratada para executar o serviço.

Além dos sobrevoos, durante a temporada de baleias também ocorre o monitoramento terrestre. Todos os dias há dois pontos de observação, ambos em Imbituba, localizados nas praias do Porto e Ribanceira. A observação normalmente ocorre em seis horas diárias durante dois turnos, podendo variar de acordo com a quantidade de iluminação diária e as condições climáticas, assim como a movimentação de navios.

Veja imagens das baleias

Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação
Um monitoramento aéreo avistou 36 baleias-francas entre Florianópolis e Balneário Rincão no último domingo. Entre os animais estavam 13 pares de mães com filhotes e 10 baleias-francas adultas solitárias, que podiam ser fêmeas grávidas ou machos buscando acasalamento.
Foto: Instituto Australis / Divulgação

Leia Mais

Celesc aguarda "batida de martelo" sobre isenção na conta de luz

Turista morre ao cair de brinquedo no Beach Park, no Ceará 

Aeroporto de Navegantes bate recorde histórico no primeiro semestre

 Veja também
 
 Comente essa história