Confira cuidados especiais para ter com os animais de estimação no verão Jessé Giotti/Agencia RBS

Foto: Jessé Giotti / Agencia RBS

Não são apenas os humanos que sofrem com o calor típico deste período do ano. A médica veterinária Maria Teresa dos Anjos Godefroid, pós graduada em Clínica e cirurgia de pequenos animais, explica que os tutores também devem ficar atentos aos cuidados especiais que devem ter com os pets. A principal recomendação, segundo ela, é relacionada à exposição direta ao sol. Do mesmo jeito que o sol pode ser nocivo à pele das pessoas, também pode ser prejudicial para cães e gatos. De acordo com a veterinária, é preciso diminuir a exposição nos horários de maior radiação, das 10h até 15h. Se não for possível, é recomendável o uso de filtro solar específico para os pets.

— Aqueles que têm a pele branquinha ou rosada, tanto cães quanto gatos, têm uma predisposição mais alta de desenvolver câncer de pele, e o filtro solar ajuda a bloquear essa radiação. Não que os outros, com pele mais escura, não sejam afetados — alerta Godefroid.

Leia mais
Família que faz ação da "Cão Terapia" fala sobre relação de afeto com os animais
Com oito cães e uma gata, casal de Florianópolis adaptou rotina para atender os pets
Entenda as necessidades de cães e gatos em cada fase da vida

A segunda recomendação diz respeito ao calor. Além da exposição aos raios solares, a médica veterinária lembra que também é preciso atentar para as temperaturas elevadas. Os animais também podem ter a temperatura corporal aumentada ao ponto de passar mal, principalmente no caso dos cães. Com os gatos é mais difícil isso acontecer, conforme
a veterinária.

Tosa

No calor, também é recomendável que os tutores façam a tosa de animais que têm muitos pelos, principalmente nas raças de pelo longo. Conforme Godefroid, é  preciso ter atenção à quantidade de pelo retirado.

— Não é recomendável baixar tanto o pelo ao ponto de ter muita exposição da pele, justamente por causa das radiações solares. Existem as tosas baixas, que não tiram o pelo completamente, que consegue barrar um pouco a radiação direta na pele.

Alimentação

Para os que comem comida natural, é recomendado cuidado para não deixar a comida exposta no calor. A veterinária recomenda que o pote seja colocado na geladeira caso necessário. É importante optar por alimentos com mais líquido e cozinhar tudo com água, porque, conforme a veterinária, isso ajuda na hidratação do animal.

Hidratação

Nos dias mais quentes também é importante ter água exposta o tempo inteiro. Godefroid explica que durante a primavera e o verão os pets, assim como os humanos, se hidratam mais comparado a outras estações. Para os gatos, é interessante ter água corrente em casa.

Doenças

É no verão também que aumenta a proliferação de pulgas e carrapatos. É recomendável controlar a infestação nos ambientes frequentados pelos pets em casa segundo a veterinária. Se o animal já estiver com alguma pulga ou carrapato, é preciso fazer a limpeza dos locais com produtos específicos a fim de eliminar os que estiverem no ambiente. Além disso, também é preciso usar produtos no próprio animal.

— A pulga pode transmitir verminose intestinal e pode acabar consumindo muito sangue e levar o animal a desenvolver anemia. Nos gatos, pode causar micoplasmose. E os mosquitos também merecem atenção, pois eles podem transmitir doenças, de acordo com a médica veterinária. Uma das mais perigosas é a leishmaniose, que também atingem humanos, e causa grave doença. Para evitar os mosquitos, além do uso de repelentes, é importante
vacinar o animal contra a leishmaniose.

Vacinas

Apesar de haver diferentes tipos de vacina disponíveis no mercado, com marcas e nomes variadas, há algumas que são consideradas obrigatórias para os pets. A médica veterinária ressalta que a vacinação deve iniciar quando o animal é filhote e ser mantida ao longo da vida dele, com aplicações anual. Se ele não for vacinado todos os anos, conforme Godefroid, o pet perde  a imunização.

Imunologistas veterinários divulgam anualmente protocolos baseados em estudos relacionados às vacinas indicadas e, com isso, é possível ter uma noção de quais vacinas são mais importantes.

— Há pelo menos duas que são as principais, essenciais para serem aplicadas ao animal desde filhote: a polivalente, específica para cães e gatos, e a antirrábica, que é a mesma para ambos — explica.

Cão na praia: o que a legislação diz

A presença de cães na praia depende da legislação de cada município. Em Florianópolis, por exemplo, atualmente há dois dispositivos legais que proíbem a ida desses pets à praia: o Código de Posturas Municipal de Florianópolis e a lei de controle e proteção de animais. Mas isso pode mudar a partir desta temporada.

Atualmente, tramita na Câmara de Vereadores da capital o projeto de Lei nº1705/2018 que visa regulamentar a presença de cachorros nas praias do município. A medida tem como objetivo permitir que os cães possam transitar em locais demarcados nestes espaços.
A expectativa é que o projeto de lei seja aprovado e entre em vigor ainda nesta temporada.

— Importante salientar que o projeto de lei em debate não visa somente a simples destinação de áreas, faixas de areias, para cães transitarem livremente nas praias do município, mas ele também prevê regras a serem seguidas para que os cães estejam aptos a frequentar tais locais, dentre elas a exigência que a vacinação e a vermifugação do animal estejam em dia — afirma o documento de justificativa emitido e disponibilizado no site da vereadora.

O projeto, protocolado em março, já foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça e pela Comissão de Viação, Obras Públicas e Urbanismo. Se for aprovado também na Comissão de Meio Ambiente, sem receber emendas, será encaminhado para aprovação dos vereadores no Plenário da Câmara.

Saiba mais

Atualmente, a presença de cachorros na praia é proibida pela legislação municipal. A Lei nº 1.224 de 1974, que institui o Código de Posturas Municipal de Florianópolis, proíbe a permanência e circulação de cães nas praias da Ilha e do Continente, conforme previsto no artigo 99. Já o artigo da Lei Complementar nº 094 de 2001, relacionado ao controle e à proteção de populações animais e a prevenção de zoonoses no município, afirma que "é expressamente proibida a presença de cães, gatos ou outros animais em praias a qualquer título". 

 Veja também
 
 Comente essa história