Entrevista: como funciona o Banco da Família de Lages Felipe Carneiro/Diário Catarinense

Foto: Felipe Carneiro / Diário Catarinense

Isabel Baggio é fundadora e presidente do Banco da Família, que hoje possui 150 empregados, sendo 80% mulheres. Para ela, nestes anos de atuação, um dos casos mais impactantes foi do catador de lixo que morava com mulher e filhos em um barraco coberto com lona. Foi levantada a capacidade de ele receber um empréstimo: R$ 5 mil em 48 vezes. 

– Que catador de lixo consegue entrar numa agência para fazer um empréstimo?

Leia também:

Banco sem fins lucrativos beneficia famílias de baixa renda em Lages

Foto:

Qual é o foco da instituição?

Atuamos em regiões com baixos índices de desenvolvimento econômico e social. Acolhemos pessoas que o sistema não acolhe. Trabalhamos de forma responsável, e esperamos o mesmo de nossos clientes.

Vocês falam em renda familiar. Mas tem consequências também em empregos?

Sim, mas o foco é a renda familiar. Isso já começa no contato com o cliente, quando nossos agentes fazem o levantamento da folha salarial da família e não apenas de quem está contraindo o financiamento.

Os clientes são pessoas pobres e com baixa escolaridade. Como fazem isso?

Trabalhamos com educação financeira. Não queremos ser um problema para o cliente. Ao contrário, nós damos a oportunidade de ele trabalhar e melhorar de vida. 

Isso resulta na baixa inadimplência?

Com certeza. É feito estudo sobre a capacidade da família assumir o valor do crédito. Nossa análise leva em conta a capacidade do cliente quitar o que será creditado a ele.

Dá lucro?

Sim. Temos rentabilidade que vem da movimentação bancária e também benefícios por ser uma organização sem fins lucrativos. Existem convênios com instituições internacionais, como a Water.org, fundada pelo ator Matt Damon e por Gary White, e que tem projeto para promover o acesso à água potável no país. Além de parcerias com bancos como BID, Badesc, BNDS.

As organizações não governamentais têm sido cobradas por uma prestação de contas mais transparente. Como a presidente do Banco da Família encara esse pensamento?

A organização precisa trabalhar com uma situação financeira impecável para não ficar sem crédito. Se não tivermos capacidade de pagamento, superávit e balanço rigoroso, a gente não terá como sobreviver.

Foto:

Leia também:

Justiça determina pagamento de aluguel social às famílias que vivem na área do Parque do Abraão 



 Veja também
 
 Comente essa história