PM que atirou em Ricardo dos Santos na Guarda do Embaú alega legítima defesa Charles Guerra/Agencia RBS

Marca de tiro no carro em que estava o policial militar que atirou contra surfista.

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

Autor dos disparos contra o surfista Ricardo dos Santos na Guarda do Embaú, em Palhoça, o soldado da Polícia Militar alega que agiu em legítima defesa. Ele sustenta que o surfista e outro homem teriam partido para cima dele com um facão no que seria uma discussão por causa do lugar em que estava parado com o carro.

Atualização:

::: Surfista Ricardo dos Santos morre após nova cirurgia
::: Entenda as duas versões investigadas pela Polícia Civil

O relato do PM é uma das duas versões colhidas até o final da tarde desta segunda-feira pelo delegado da Delegacia de Polícia de Palhoça, Marcelo Arruda, após ter tomado o depoimento de cinco pessoas.

A versão de legítima defesa consta também numa rede interna de comunicação da PM a que o DC teve acesso.

— Há duas versões contraditórias, a de legítima defesa em que ele (policial) reagiu a pessoas que teriam partido para cima dele com um facão e a outra de que efetuou disparos injustificáveis — disse o delegado.

A versão da legítima defesa foi apresentada à Polícia Civil pelo irmão do policial que estava junto no veículo e dá conta que um homem se aproximou com um facão em punho e falou que o carro não poderia ficar ali.

Então, houve discussão e o homem com o facão teria se aproximado da janela do veículo e tentado agredir o motorista (o PM).

A outra versão apresentada por testemunhas que estavam com o surfista é a de que o PM, que estava de folga e sem farda, atirou de dentro do carro sem nenhum motivo. Até às 17h30min, o soldado ainda não havia sido interrogado pelo delegado, pois era aguardada a presença do advogado dele no local.

O soldado estava numa sala da DP escoltado por outros policiais militares e não quis dar entrevista. Os PMs relataram que o soldado afirmou ter atirado para se defender e que o episódio aconteceu por causa de uma discussão banal de trânsito.

O surfista e amigos estariam fazendo uma canaleta no local em que o carro do PM estava. O Citröen C4 com placas de Joinville está apreendido na frente da Delegacia e há uma marca de tiro no espelho ao lado da porta do motorista.

O delegado afirmou que o policial foi preso em flagrante por PMs em uma pousada onde estava hospedado perto do local do fato.

Conforme o delegado, o soldado afirma que havia ingerido bebida alcoólica e nega que tenha consumido drogas. O soldado fez o exame toxicológico, cujo resultado deve sair nos próximos dias.

— Pelo que apuramos isso de que havia drogas sendo consumidas foi um boato, pois nenhum vestígio de droga foi encontrado — relatou o delegado Arruda.

O delegado não divulgou o nome do PM, que está preso em flagrante por tentativa de homicídio e deverá ser encaminhado a um batalhão da PM na Grande Florianópolis. Nenhum facão foi encontrado e apreendido pela polícia.

O soldado tem 25 anos, está na PM desde 2008 e trabalha no 8º Batalhão da PM em Joinville.

Notícias anteriores:

:: 
Saiba os feitos de Ricardinho: entre eles, bater Slater no Taiti
:: Polícia divulga nota sobre caso do surfista Ricardo dos Santos
:: Brincalhão, família e apaixonado pelo surfe: este é Ricardinho

Vídeo: "Mãe do surfista fala sobre violência contra o filho:

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história