Quase 70% dos alunos da última série do Ensino Fundamental em SC dizem ter sofrido bullying Jean Pimentel/Agencia RBS

Para especialista, causas do constrangimento social vão além do que pode ser enxergado

Foto: Jean Pimentel / Agencia RBS

Sem especificar motivos ou causas, 68,1% dos alunos catarinenses do 9º ano do Ensino Fundamental afirmaram já terem se sentido humilhados por provocações de colegas. O dado que coloca o Estado na primeira colocação dessa estatística específica está disponível na Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que foi divulgada nesta sexta-feira. Em Santa Catarina, foram ouvidos 3.615 estudantes de 145 escolas públicas e privadas.

Leia mais:
Santa Catarina tem destaques positivos e negativos em pesquisa do IBGE que analisa saúde na escola
Alunos catarinenses do 9º ano são os que mais praticam atividade física na escola, diz IBGE

Nesse recorte, Santa Catarina ficou acima da média da região Sul, de 63,4%, e também da proporção nacional, cravada em 61,1%. Nas outras especificações referentes ao bullying sofrido — cor ou raça, religião, aparência do rosto, aparência do corpo, orientação sexual e região de origem —, o Estado não figura entre os primeiros da lista, exceto quando a motivação é a localidade de onde o estudante veio: 1,5% frente à média nacional de 1,3%.

A pesquisadora integrante do Núcleo Vida e Cuidado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Ana Maria Borges de Sousa, diz que o constrangimento social vai além do que pode ser enxergado e aponta possíveis motivações para o bullying que os alunos catarinenses dizem ser vítimas. 

— A pobreza tem uma implicação muito forte na questão da singularização sujeito. Pelo aluno estar mal vestido, mal cheiroso, cafona, ou fora do padrão. Ou porque família tem aspecto diferenciado. Ou o aluno tem deformação físico-mental. São aspectos simples, como a casa que o adolescente mora e alguém conhece, que pode desencadear. Essas pistas os pesquisadores tendem a não incorporar, mas elas devem ser trabalhadas, porque a violência que resulta pode impactar em agressividade, quietude e dificuldade de aprendizagem. 

Para a coordenadora do Programa Saúde na Escola em Florianópolis, Giorgia Wiggers, mais importante que a percepção de bullying por parte do aluno é aquela apontada pelo diretor da escola. 

— Precisamos saber como esses profissionais enxergam esse problema e, principalmente, como lidam e como tentam combatê-lo. 

Leia também:
Evento oferece imersão de 15 horas no mundo dos negócios em Florianópolis
WhatsApp muda termos de uso e compartilhará dados com Facebook; entenda
Veja quais as melhores opções de países e de modelos de intercâmbio

Essa é a primeira edição da PeNSE em que a amostragem foi estendida ao interior. Conforme o coordenador estadual da pesquisa, Dárcio Borges, a intenção é que nos próximos a expansão seja ainda maior. 

— Daí, sim, poderemos fazer as comparações, como a Organização Mundial da Saúde recomenda. Atualmente só podemos comparar evoluções ou retrocessos no recorte de capital.

Em 2015, foi instituído o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (bullying) em todo o território nacional — considerado um marco jurídico de combate ao bullying e a primeira lei nacional que tem como objetivo prevenir e combater a prática. Segundo o governo federal, a intimidação sistemática é caracterizada quando há violência física ou psicológica em atos de intimidação, humilhação ou discriminação e, ainda, a intimidação sistemática na rede mundial de computadores (ciberbullying), para depreciar, incitar a violência, adulterar fotos e dados pessoais com o intuito de criar meios de constrangimento psicossocial.

Percepção da imagem corporal

O IBGE também questionou os estudantes a respeito da imagem corporal. No ranking, os estudantes catarinenses aparecem em terceiro lugar entre aqueles que mais se achavam gordos ou muito gordos. O recorte por gênero permite avaliar que as estudantes meninas (25,3%) enxergam-se de maneira pior do que os estudantes meninos (15,9%). Rio Grande do Sul e Paraná estão no topo da lista e Maranhão no final. 

 Veja também
 
 Comente essa história