Com 98% das urnas apuradas, por volta de 18h40min o silêncio imperava na Rua Engenheiro Newton Ramos, via sem saída do Centro onde o então candidato a prefeito Gean Loureiro (PMDB) aguardava o fim da apuração de votos da eleição à Prefeitura de Florianópolis. Naquele momento, acomodado na sala de casa no 12° andar, ele estava mais de mil votos atrás da adversária Angela Amin (PP).

Dez minutos depois, na última atualização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a virada ficou escancarada nos gritos que ecoaram do edifício de Gean e dos prédios vizinhos. Com 1.153 votos de diferença, o peemedebista alcançava 50,26% dos votos válidos e virava o jogo aos 45 minutos do segundo tempo. Gean conseguia, quatro anos depois da derrota de 2012, ser eleito prefeito da cidade onde nasceu.

— Eu imaginava vencer a eleição, não importa por quantos votos. Vencemos democraticamente, e a partir de agora temos um compromisso com a cidade, e com união e integração, vamos trabalhar. Quero assumir em 1º de janeiro, já com bastantes projetos encaminhados — falou, ao lado do vice-governador Eduardo Pinho Moreira (PMDB) e do senador Dário Berger (PMDB).

Com o jingle que tocou na TV e nas rádios desde meados de agosto ressoando na porta de seu edifício, Gean destacou que começará o trabalho de transição nesta segunda-feira, quando tentará marcar uma audiência com o prefeito Cesar Souza Junior (PSD). Ele afirmou que pretende coordenar a transferência dos mandatos e minimizou as críticas que fez ao pessedista ao dizer que isso faz parte do passado.

— Daqui para frente vou continuar tendo muita responsabilidade no trabalho como prefeito eleito na transição, e depois de empossado, com a responsabilidade de dirigir o destino da cidade nos próximos quatro anos – falou, enquanto ia para a festa da vitória, no tradicional ponto do Koxixo¿s, na Avenida Beira-Mar Norte.

 Veja também
 
 Comente essa história