Especialista explica quais os riscos de abastecer com combustível adulterado Maykon Lammerhirt/Agencia RBS

Diego Trezzi dá dicas de como descobrir se o combustível do seu carro está adulterado

Foto: Maykon Lammerhirt / Agencia RBS

A interdição de bombas de gasolina comum e aditivada e de diesel em dois postos de combustível nos últimos dias em Joinville mostra que os motoristas devem ter cuidados ao escolher onde abastecer os veículos. Mais do que isso, os consumidores têm que estar atentos aos riscos que os combustíveis de má qualidade podem causar no carro e os sinais que apontam esses problemas.

Leia as últimas notícias sobre Joinville e região no AN.com.br

Diego Francisco Trezzi, conselheiro técnico da Peugeot La Fontaine, revendedora de veículos da cidade, afirma que a gasolina adulterada pode trazer diversos problemas para o carro. Segundo ele, com o aumento do álcool, por exemplo, o veículo apresentará falhas porque vai ser confundir e não saberá se tem álcool ou gasolina no tanque, consumindo mais combustível.

— Esse é o principal indício da gasolina ruim. A média do carro começa a baixar bastante. Se o consumidor continuar abastecendo com essa gasolina, pode danificar outros componentes — explica.

Nesse caso, o primeiro componente a ser atingido é a vela, que vai falhar no processo de combustão da gasolina. Quando isso acontecer, a luz de injeção acenderá no painel do carro, indicando ao motorista que ele está com algum problema. De acordo com o especialista, esse é o problema mais comum que a oficina da concessionária de Joinville atende: o condutor percebe o alerta e procura o profissional para encontrar o problema.

— Passamos um scanner no carro e vemos que é uma falha de combustão que, com certeza, foi gerada pela má queima do combustível ruim — conta.

Os problemas podem também afetar os carros que trabalham apenas com gasolina. Trezzi explica que, nesses casos, o carro que é abastecido com o combustível “batizado” já não funcionará com álcool quando o motorista tentar ligá-lo no início do dia. Para evitar todos esses transtornos, o especialista afirma que é necessário ter cuidado na hora de escolher o posto de combustível e ficar atento aos sinais emitidos pelo próprio veículo.

— Muitas vezes, o cliente acha que está economizando ao abastecer em um posto com a gasolina mais barata, com preço fora da curva, mas o transtorno que ele vai ter acarretará um prejuízo ainda maior para o dono do carro — ressalta.



Fiscalização continua na cidade

O Procon e a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) deram início a uma força-tarefa no último sábado para fiscalizar vários postos de combustíveis de Joinville. Até agora, cerca de 20 estabelecimentos foram vistoriados.

Os fiscais analisam toda a documentação do posto, o combustível e as questões visuais do estabelecimento, que tem a obrigação de informar a bandeira, o fornecedor e os preços de forma correta.

No último sábado, foram interditadas as bombas de gasolina comum e aditivada de um posto no bairro Anita Garibaldi e uma bomba de diesel em um posto do Aventureiro.

Além disso, foram encontradas irregularidades que não afetam diretamente os consumidores, como a ausência de documentações necessárias e informações incorretas. A fiscalização continuará pelos próximos dias em postos de combustíveis de toda a cidade.

A NOTÍCIA
 DC Recomenda
 
 Comente essa história