Homem morre baleado durante protesto em Caracas JUAN BARRETO/AFP

Foto: JUAN BARRETO / AFP

Um homem morreu ao ser atingido por tiros na quinta-feira à noite durante um protesto na área de Petare em Caracas, informou nesta sexta-feira um dos prefeitos da capital da Venezuela.

"Com muita dor informo a morte por impacto de bala de Melvin Guaitan, humilde trabalhador, morador de Sucre #Petare", escreveu no Twitter Carlos Ocariz, prefeito do município de Sucre, onde fica Petare.

Leia mais
Governo militarizado e oposição unida tensionam a Venezuela
GM encerra operações na Venezuela após ter ativos confiscados pelo governo
Anistia Internacional e UE alertam para a violência na Venezuela

"Melvin foi assassinado na entrada do Bairro 5 de Julho durante o protesto esta noite (quinta-feira). Exigimos que se investigue e castigue os culpados!", completou o prefeito, que faz oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro.

Ocariz não revelou detalhes sobre as circunstâncias do incidente: se a manifestação era organizada pela oposição, se Guaitan participava na mesma ou se apenas passava pelo local, se o tiro partiu de um civil ou de um agente das forças de segurança.

O governo da cidade e a Procuradoria não responderam as ligações da AFP.

Guaitan é a nona pessoa morta nas últimas três semanas em um momento de grandes protestos contra Maduro, que quase sempre terminam em confrontos entre manifestantes e as autoridades.

O uso de gás lacrimogêneo, incêndio de barricadas, explosões, ataques contra lojas e bloqueios de avenidas afetaram na quinta-feira as zonas oeste e sul da capital, com maior gravidade em El Valle, outro bairro carente de Caracas.

Cinquenta e quatro crianças foram retiradas do hospital infantil de El Valle, no outro extremo de Petare, em um incidente confuso.

As manifestações, iniciadas em 1º de abril para exigir o respeito às prerrogativas do Parlamento - que tem maioria opositora - e eleições antecipadas, deixaram nove mortos e centenas de feridos e detidos.

Leia as últimas notícias de Mundo

 Veja também
 
 Comente essa história