Dono da JBS afirma que pagou cinco deputados para votarem contra impeachment de Dilma Júlio Cordeiro/Agencia RBS

Foto: Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Em delação premiada, o dono da JBS, Joesley Batista, disse que atuou juntamente com o deputado João Bacelar (PR-BA) na compra de cinco deputados federais, ao custo de R$ 3 milhões cada um, para votarem contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Segundo Joesley, no dia 9 de abril de 2016, um sábado, uma semana antes da votação do impeachment na Câmara dos Deputados, ele se reuniu com Bacelar. Na ocasião, segundo o delator da JBS, Bacelar disse que "tinha conseguido convencer 30 deputados a votarem a favor de Dilma em troca de R$ 5 milhões cada um". Joesley, no entanto, diz ter concordado com a "compra" de apenas cinco deputados no valor total de R$ 15 milhões divididos em parcelas.

Leia mais
"100% do meu negócio era com o presidente Michel", diz dono da JBS
Temer e Aécio articularam para impedir avanço da Lava-Jato, diz Janot 
Delação da JBS aponta propina de US$ 150 milhões para Lula, Dilma e PT

No depoimento, o dono da JBS, porém, afirma que não lembra quais eram os parlamentares que receberam o pagamento. Segundo ele, o dinheiro era distribuído por João Bacelar, e que só tinha conseguido repassar R$ 3,5 milhões.

Parte do pagamento — R$ 500 mil —, diz Joesley, ocorreu em março deste ano.

Leia as últimas notícias sobre a delação da JBS


 DC Recomenda
 
 Comente essa história