"Não renunciarei", afirma Temer em pronunciamento Valter Campanato/Agencia Brasil

Foto: Valter Campanato / Agencia Brasil

No primeiro pronunciamento após a delação dos donos da JBS, o presidente Michel Temer foi taxativo ao afirmar que não renunciará. Pressionado por aliados e pela oposição ao longo desta quinta-feira (18) para deixar o Planalto, o peemedebista refutou a possibilidade e pediu investigação "plena" da suspeita de ter autorizado a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

— Não renunciarei. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro — afirmou Temer.

Leia mais
Fachin autoriza abertura de inquérito contra Michel Temer
O que revelaram os donos da JBS na delação que implodiu Brasília 
Aécio é afastado do Senado após decisão de Fachin

Assista ao pronunciamento na íntegra:

O pronunciamento durou cerca de cinco minutos, no segundo piso do Planalto, no mesmo espaço no qual Temer deu posse aos seus ministros em maio do ano passado. O presidente chegou acompanhado de líderes da base e de ministros. Em tom ríspido, Temer tentou controlar a emoção e, por vezes, bateu o punho no púlpito para enfatizar suas palavras. 

— Não temo nenhuma delação, não preciso de cargo público nem de foro especial, nada tenho a esconder, sempre honrei o meu nome — afirmou. 

Temer negou que tenha concordado em comprar o silêncio de Cunha, conforme indica a delação do empresário Joesley Batista, que gravou conversa que teve com o presidente em março, no Palácio do Jaburu. 

— Repito e ressalto: em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer que seja para ficar calado, não comprei o silêncio de ninguém — destacou Temer.

O Supremo Tribunal Federal já autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente, que afirmou ter pedido acesso ao conteúdo das gravações de Joesley. Temer garantiu que seguirá no cargo para manter o esforço empreendido em favor da recuperação da economia.

— Quero deixar muito claro, dizendo que o meu governo viveu nesta semana seu melhor e seu pior momento — afirmou. — Não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito em prol do país.

Leia as últimas notícias de Política



 DC Recomenda
 
 Comente essa história