Caso apresente a partir desta semana mais de uma denúncia contra o presidente Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, complicará a blindagem do Planalto. Por duas ou três vezes, diante das câmeras, cada deputado terá de falar se autoriza a análise da abertura da ação penal pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ou se arquiva a acusação contra um presidente com 7% de aprovação e atos suspeitos na relação com Joesley Batista. O Datafolha mostra Temer como o presidente de maior rejeição em 28 anos. Além disso, oito em cada 10 entrevistados apoiam o impeachment do peemedebista e não acreditam em sua inocência. A perícia da gravação da conversa com Joesley, que afasta a chance de edição, dificulta a defesa de Temer em praça pública, mas ele confia que terá os votos ou ausências de 172 deputados. Por isso, fatiar a denúncia tem lógica. O parlamentar que engavetou ou faltou à primeira votação repetirá a dose se a repercussão for negativa? Aliados do Planalto já dizem nos Estados que a saída de Temer é a volta de Lula e atrasará a economia. Ao Palácio, pedem cargos e emendas para compensar o desgaste. A fatura da base será bastante salgada.

SINAIS

O ministro Torquato Jardim (Justiça) convocou coletiva para desmentir a saída de Leandro Daiello da direção-geral da Polícia Federal. Enrolou por três minutos, levantou e saiu sem bancar Daiello.

FRENTE

Quarta-feira será lançada a frente parlamentar para a construção do Hospital do Câncer do GHC. Liderada pelo deputado Jones Martins (PMDB-RS), a frente busca R$ 150 milhões para a obra. Jones acredita que em três anos a bancada gaúcha pode viabilizar os recursos.

CPI

Cotado para relatar a CPI da JBS, o deputado Alexandre Baldy (Pode-GO) descarta convocar Rodrigo Janot e Edson Fachin — não há previsão legal para convocar ministro do STF. Políticos delatados pela JBS não serão investigados na comissão, que focará no BNDES.

AGENDA

O secretário da Segurança, Cezar Schirmer, vai ao Ministério da Justiça amanhã. Trata da permanência da Força Nacional no Estado e de recursos para presídios e horas extras de policiais militares.

Colaborou Silvana Pires

Leia mais:

Carolina Bahia: Temer e o teste de fidelidade

Carolina Bahia: vitória da Lava-Jato

Carolina Bahia: quem tem medo de delação?

Carolina Bahia: infidelidade ronda Temer





 DC Recomenda
 
 Comente essa história