Absolvição de Temer no TSE tem pouco impacto sobre a economia Antonio Cruz/Agência Brasil

Para economistas, Planalto ainda não conseguiu trazer de volta clima de previsibilidade econômica e política

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

Embora seja uma incerteza a menos pela frente, a absolvição da chapa Dilma-Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) está longe de significar o retorno da segurança à economia. Mesmo que tenha escapado da cassação pela Corte, uma série de obstáculos ainda impede o Planalto de transparecer confiança a consumidores e empresários. 

Fragilizado pela delação dos donos e executivos da JBS, o governo pode passar nos próximos dias por novos episódios que aumentem o constrangimento, minem a base de apoio e tornem ainda mais difícil conseguir o que é considerado essencial pelo mercado: avançar com a reforma da Previdência.

Leia mais
Temer avalia ignorar lista tríplice na sucessão de Janot
PF pede ampliação do prazo para concluir inquérito sobre Temer
Janot prepara denúncia que deve ligar Temer à mala de R$ 500 mil 

A despeito da decisão do TSE que o mantém no cargo, Temer pode sofrer forte revés hoje, quando o PSDB se reúne para decidir se desembarca ou permanece no governo. Uma debandada tucana enfraquece ainda mais o Planalto na tentativa de reagrupar a base e retomar a governabilidade. Ao mesmo tempo, paira sobre o presidente a ameaça de a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciá-lo por crime comum, caso que será apreciado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) apenas com a licença de dois terços dos deputados federais.

Para o estrategista-chefe da Eleven Financial Research, Adeodato Volpi Netto, mesmo com o resultado favorável a Temer no TSE, Brasília ainda vive dias de turbulência.

— O mercado precisa de um mínimo de previsibilidade institucional, e isso não temos — resume.

Para Adeodato, a agenda das reformas trabalhista e da Previdência, com ou sem Temer, parece ter sido incorporada pelo Congresso.

Ou seja, a primeira seria aprovada, em qualquer cenário, e a segunda teria um pequeno avanço em 2017, apesar de desfigurada.

O professor de Economia Marcelo Portugal, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), também vê uma série de dúvidas à frente, com a possibilidade de o PSDB abandonar o governo e a instabilidade voltar a crescer pela possível denúncia da PGR. Um cenário, observa Portugal, que afugenta a retomada do investimento.

— O país tem dois desafios pela frente. Um é voltar a crescer e o outro, ajustar as contas públicas. Para voltar a crescer, precisamos de estabilidade política e ajuste das contas. Não temos nem um, nem outro — aponta Portugal, que vê Temer fraco na Presidência, apesar do alívio fugaz com o resultado do TSE.

O economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, também não enxerga grande mudança com o resultado favorável a Temer no julgamento do TSE:

— Seria indiferente se o presidente continuasse ou não. A grande questão é a reforma da Previdência Social, que, nas duas hipóteses, ficou muito difícil — avalia.

Ameaças que pairam sobre Temer

Denúncia da PGR
A Procuradoria-Geral da República (PGR) deve denunciar o presidente Michel Temer por crime comum, com base na delação da JBS. Seria mais um ponto de desgaste, apesar de ser difícil que o processo avance porque seria necessário aval de dois terços da Câmara para o caso chegar ao STF.

Votação das reformas
Mesmo que seja improvável que os deputados deixem a denúncia ser levada ao STF, seria uma nova dor de cabeça para o Planalto na tentativa de aprovar as reformas. O debate em torno do assunto desviaria atenção do Congresso das pautas trabalhista e previdenciária, que ficariam em segundo plano.

Fatos novos
Há ainda o risco de surgimento de novas denúncias que atinjam diretamente o presidente Michel Temer. Na semana passada, por exemplo, o Planalto teve trabalho para rebater a informação de que o presidente e sua família voaram em um avião da JBS. Primeiro, Temer negou, depois teve de admitir o voo.

Risco de rebaixamento
As incertezas em relação às reformas trabalhista e da Previdência em virtude do enfraquecimento do governo podem levar as agências de classificação de risco a rebaixarem a nota de crédito no país. Duas das três casas mais importantes do mundo na área, Moody's e Standard & Poor's (S&P), colocaram o Brasil em perspectiva negativa em maio.

 Veja também
 
 Comente essa história