Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

O deputado estadual Darci de Matos (PSD) falou com o colunista sobre as opções para solucionar a crise na saúde de Santa Catarina. Veja a entrevista:

O governo estadual tem alguma opção para a grave crise da saúde?

A sugestão, que também se aplicaria ao Brasil, é destinar recursos da legalização dos cassinos. Temos alternativa aqui em Santa Catarina, seguindo o que fazem São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Eles exploram as loterias da raspadinha. Os lotéricos estão trabalhando nesta opção. Vários segmentos estão interessados em raspadinhas e loteria virtual ou física. A Trimania, por exemplo, já repassa milhões para a saúde, como é o caso do Hospital Bethesda, de Joinville. 

Por que não foi adotada para resolver problemas dos hospitais?

É que havia duvidas sobre aspectos legais. Vimos agora que a lei catarinense dá condição jurídica. Estamos deixando de arrecadar cifras consideráveis com arrecadação das loterias para a saúde e fomento ao esporte e assistência social. Veja que em 2016 a população destinou R$ 700 milhões em jogos da Caixa, dinheiro todo ele canalizado para a União. Outro dado: títulos de capitalização como a Trimania movimentam no Estado mais de R$ 140 milhões. 

Além disso, dos tributos federais não há um real revertido para a saúde de Santa Catarina. Há outra estatística impressionante: com jogos ilícitos são movimentados no Estado mais de R$ 2,5 bilhões. Jogos sem nenhuma arrecadação. Com a legalização dos cassinos tudo isto poderia ter uma parcela para amenizar a grave crise na saúde. 

O governo tem algum estudo para legalizar o jogo?

Os lotéricos já criaram uma cooperativa e estamos tratando no governo na Casa Civil. É um projeto novo que estamos estudando e que seria uma fonte importante para subsidiar a saúde que enfrenta grandes dificuldades no Estado há muito tempo.

Leia outras publicações de Moacir Pereira

"A nova torre do Hospital Tereza Ramos não vai resolver o problema"

"É preciso tirar o PT do isolamento", diz Décio Lima

 Veja também
 
 Comente essa história