A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga se os corpos encontrados no último domingo, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, são de três catarinenses que estão desaparecidos há uma semana, após uma viagem ao Rio. As informações são do portal de notícias G1

Parentes dos desaparecidos - Felipe Stadnick, Fabrício dos Santos, conhecido como Da Vala, e um terceiro homem, não identificado - afirmaram à polícia que os três vieram de Itajaí, no litoral norte de Santa Catarina, para assistir ao clássico entre Vasco e Flamengo, disputado no sábado, mas não voltaram. Os parentes procuraram a polícia do Rio e registraram o desaparecimento do trio.

Segundo o delegado Giniton Lages, titular da Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), os cadáveres foram encontrados dentro de um carro incendiado e estavam totalmente carbonizados, impossibilitando a identificação visual das vítimas.

— Não dá nem para afirmar de que sexo eram essas pessoas. Somente o exame de confronto genético com prováveis familiares das vítimas poderá confirmar a identificação delas. O material já foi colhido e estamos aguardando a conclusão dos exames, que leva no mínimo 30 dias —, explicou Lages.

Felipe Stadnick é advogado em Itajaí e já foi preso no Rio, em setembro de 2015, suspeito de ser traficante de drogas. Ele seria o substituto de um traficante conhecido apenas como Paulista, que era responsável por abastecer várias comunidades do RJ com cerca de 400 quilos de cocaína por mês.

Leia mais

Cinco pessoas morrem em rodovias de SC no fim de semana

Jovem de 17 anos é morto a facadas e autor do crime é linchado

Maior traficante do Sul do Brasil é preso pela polícia no Paraguai

 Veja também
 
 Comente essa história