O diretor espanhol Basilio Martín Patino, autor de um cinema intimista censurado durante a ditadura franquista, faleceu neste domingo, em Madri, aos 86 anos - informou a Academia espanhola de Cinema.

Diretor, produtor e roteirista, Martín Patino foi uma referência do chamado "Novo Cinema Espanhol", com filmes e documentários como Del amor y otras soledades, Los paraísos perdidos e Octavia.

"Falece Basilio Martín Patino, diretor de filmes como 'Canciones para después de una guerra', ou 'Nueve cartas a Berta'", tuitou a Academia das Artes e Ciências Cinematográficas da Espanha.

Leia mais:
Morre Simone Veil, sobrevivente do Holocausto e incansável militante

Nascido em Salamanca em 1930, Martín Patino estreou em 1965 com "Nueve cartas a Berta", produção ganhadora da Concha de Prata no Festival de San Sebastián.

Depois que vários de seus filmes críticos foram censurados pela ditadura de Francisco Franco (1939-1975), filmou clandestinamente "Queridísimos verdugos" e "Caudillo".

Seu último longa de ficção foi "Octavia", apresentado em 2002 no Festival de San Sebastián.

Martín Patino recebeu em 2005 a Medalha de Ouro da Academia espanhola de Cinema por uma obra "silenciosa, mas coerente, de um cineasta que permanece recluso na privacidade de seu trabalho".

Leia mais em Zero Hora

 DC Recomenda
 
 Comente essa história