O Museu Egípcio do Cairo exibiu a "múmia que grita", os restos do filho de um faraó que, acredita-se, teria sido enforcado por tramar o assassinado de seu pai.

Batizada como "homem desconhecido E", a múmia, que normalmente não é exibida, parece ser de um homem que sofreu uma dolorosa agonia.

O Ministério das Antiguidades do Egito disse que as análises de DNA confirmaram que a múmia é do filho de Ramsés III, que reinou entre os anos 1186 e 1155 antes de nossa era.

Os restos mostram que foi enforcado e coberto em pele de ovelha, algo que os antigos egípcios consideravam impuro.

O filho de Ramsés III, Pentawere, foi condenado à morte por seu papel em tal complô, segundo relatam papiros antigos. Pentawere conspirou junto com sua mãe, Tiy, a segunda esposa de Ramsés III, para assassinar o faraó.

Embora não esteja claro se Ramsés III morreu naquela ocasião, há indícios de que foi esfaqueado no pescoço.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história