O presidente chinês, Xi Jinping, chegou a Portugal nesta terça-feira (4) para reforçar os laços econômicos estimulados por Pequim após a crise financeira que afetou o país europeu, onde o capital procedente da China tem um papel importante.

A visita de Estado de dois dias começou nesta tarde com uma cerimônia de boas-vindas com o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, e será concluída, na quarta-feira, com um encontro com o primeiro-ministro, Antonio Costa, e a assinatura de vários acordos bilaterais.

Um deles será sobre a integração do porto português de Sines com as "Novas Rotas da Seda" - conjunto de projetos de infraestrutura que devem desenvolver as relações comerciais da China com países da Ásia, da Europa e da África.

"Portugal é um importante ponto de conexão entre a Rota da Seda terrestre e a Rota da Seda marítima", destacou o presidente Xi em um artigo publicado no domingo na imprensa lusitana.

O projeto provoca divisão entre os europeus. Alguns países aderiram, como a Grécia e várias nações do leste do continente, enquanto outros temem que o regime comunista amplia sua influência para o oeste.

"Se Portugal se unir à iniciativa, será o primeiro país da Europa ocidental a fazê-lo", afirmou nesta terça o diretor do Jornal de Negócios, André Veríssimo, em editorial.

- Sem preocupações -

A pedido de França e Alemanha, os países da UE debateram na semana passada um marco de controle dos investimentos estrangeiros, principalmente chineses.

"Nunca fomos muito favoráveis. Felizmente, a versão final deste acordo não prevê nenhum direito de veto", admitiu o primeiro-ministro português, Antonio Costa, mais cedo.

"Em Portugal não estamos preocupados com a origem do investimento estrangeiro", completou, antes de advertir que a "União Europeia não deve tomar o caminho do protecionismo para regular a globalização".

Afetado pela crise da dívida da Eurozona, Portugal obteve em 2011 um empréstimo de 78 bilhões de euros da UE e do FMI, em troca de severas medidas de austeridade orçamentária e um amplo programa de privatizações que abriu as portas para os primeiros investimentos da China.

Desde então, o país recebeu quase 6 bilhões de euros de capital chinês, que hoje domina a maior empresa portuguesa de ativos, o grupo Energias de Portugal (EDP), o maior banco privado do país, BCP, a principal seguradora, Fidelidade, e a gestora da rede elétrica, REN.

* AFP

 Veja também
 
 Comente essa história