Empresa de Itajaí exporta ovas de tainha para os Estados Unidos @alexatala/reprodução instagram

Foto: @alexatala / reprodução instagram

A Bottarga Gold, empresa de Itajaí especializada no processamento de ovas de tainha — o caviar brasileiro — acaba de dar um passo importante rumo ao mercado internacional. A iguaria, que é amplamente consumida nos melhores restaurantes do país (chefs como Alex Atala e Claude Troisgros são alguns dos clientes famosos), está sendo exportada para os Estados Unidos a partir deste mês.

Além de ampliar o mercado, a exportação trouxe um upgrade ao volume de produção da empresa, que passou de 100 para 400 toneladas de bottarga ao mês. Detalhe: 300 toneladas só para o mercado externo.

Para quadruplicar a quantidade de produtos produzidos, a Bottarga Gold adquiriu mais equipamentos e está pronta para novas expansões. A empresa está de olho, agora, no mercado europeu — a expectativa é começar a exportar para o Velho Mundo no início do ano que vem.

O que faz da ova de tainha um sucesso tão grande é o sabor diferenciado, a versatilidade de uso (diferente do tradicional caviar de estrujão) e o preço. A saborosíssima bottarga é vendida a em média R$ 500 o quilo, enquanto o caviar não sai por menos de R$ 10 mil.

...

Na verdade, chamá-la de caviar é “maneira de dizer”, já que o preparo é totalmente diferente. O caviar tradicional sai das vísceras da fêmea direto para a latinha, enquanto que a bottarga passa por um processo de secagem antes de ser embalada.

É vendida de várias formas diferentes — inteira, ralada ou granulada, envolta ou não em cera de abelha. A iguaria é típica do nosso litoral, que aprecia muito as tainhas, mas costuma ser feita de maneira artesanal. A empresa de Itajaí é pioneira na produção e a única a possuir o selo do Serviço de Inspeção Federal (SIF) no país.

 

Ovas de Tainha curadas e grelhadas - Menu Degustação 18 pratos

Uma foto publicada por Alex Atala (@alexatala) em

DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história