Dia D da greve dos professores em Santa Catarina termina com passeata no Centro de Florianópolis Alvarélio Kurossu/Agencia RBS

A professora Amanda Gurgel fez uma palestra para os professores catarinenses

Foto: Alvarélio Kurossu / Agencia RBS

O Dia D da greve dos professores da rede estadual de educação de Santa Catarina foi marcado pela palestra da professora Amanda Gurgel e por uma passeata que saiu da  Praça Tancredo Neves, em frente à Assembleia Legislativa, e terminou na Avenida Paulo Fontes no Centro de Florianópolis, por volta das 17h, desta segunda-feira.

A movimentação dos docentes começou às 8h. Às 15h, Amanda Gurgel, que ficou conhecida nacionalmente pelo discurso sobre a precariedade na educação do Rio Grande do Norte, fez uma palestra na praça.



De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte), cerca de mil professores de Florianópolis, São José e alguns de Itajaí, no Litoral Norte, participaram do ato.

Atos e debates devem acontecer durante toda a semana no Estado. Nesta terça-feira, a partir das 14h, professores da Grande Florianópolis farão vigília em frente à Secretaria de Estado de Educação (SED). Nas demais regiões, as concentrações devem acontecer nas Gerências Regionais de Educação. A expectativa do Sinte é reunir o mesmo número de profissionais que participaram dos atos desta segunda.

—  O dia de hoje é um exemplo do que prevemos para a semana em todo Estado. Queremos colocar a categoria na rua e mostrar à sociedade que continuamos em greve — comenta a secretária geral do Sinte, Anna Julia Rodrigues.

Nesta segunda-feira, a greve dos professores, completa 13 dias. A paralisação acontece desde o dia 18 de maio.  Trabalhadores querem o pagamento do Piso Nacional da Categoria, de R$ 1.187,97 como sendo o salário inicial, pago sem a retirada de outros benefícios que estão na folha de pagamento. O governo do Estado concordou em pagar, mas somando o salário base e os abonos para chegar ao valor do piso, o que não é aceito pela classe.

Segundo o Sinte, a adesão à greve em SC está em torno de 92%. Seriam aproximadamente 630 mil estudantes sem aulas.
DIÁRIO CATARINENSE
 Veja também
 
 Comente essa história