Prefeito de Joinville ouve pedidos de empresários e propõe comissão para acompanhar obras Leo Munhoz/Agencia RBS

Carlito Merss durante reunião na Acij

Foto: Leo Munhoz / Agencia RBS

Em reunião, nesta segunda, na Associação Empresarial de Joinville (Acij), o prefeito Carlito Merss (PT) anunciou que vai criar uma comissão para acompanhamento da qualidade das obras públicas em Joinville. Os empresários acenaram com interesse em participar, mas preferem aguardar a formatação da comissão para garantir se irão aderir ou não.

A ideia da administração municipal é que técnicos de entidades empresariais e de classe (Acij, Sinduscon, Crea/SC, Ajorpeme, entre outras) passem a acompanhar os investimentos feitos pela Prefeitura. Sugestões seriam aceitas e avaliadas.

Além disso, as entidades poderiam apontar eventuais equívocos nas obras. Com isso, a Prefeitura teria um complemento à fiscalização de seus investimentos, que hoje é exercida apenas por funcionários do próprio governo.

— Arena, Expocentro, Megacentro são obras relativamente novas e têm inúmeros problemas estruturais. Uma comissão como essa ajudaria o governo a lidar melhor com os problemas que surgem pelo meio do caminho —, disse Carlito.

O presidente da Acij, Carlos Schneider, falou que a entidade estudará a proposta que será encaminhada pelo governo.

— A ideia é boa, mas precisamos ver o projeto antes —, falou.

Cronograma do ILS

Entre os outros assuntos comentados durante a reunião, a Acij cobrou notícias sobre o sistema de pouso por instrumento (ILS). Para o prefeito, não há sentido em cobrar a antecipação da instalação do equipamento no Aeroporto de Joinville.

— Temos um cronograma em execução e precisamos respeitá-lo.

Segundo Carlito, a única forma de alterar o prazo estipulado para dezembro do ano que vem seria se o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) assumisse o controle de toda a obra e comprasse o aparelho, que facilitará os pousos.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Rodrigo Thomazi, comentou os prazos para a conclusão da ampliação do aeroporto.

— Está tudo dentro do cronograma —, disse.

Segundo o secretário, o Ippuj está fazendo um novo projeto sobre o contorno rodoviário do aeroporto que poderá representar uma diminuição nos valores. Estipulado em R$ 14,8 milhões, o custo diminuiria para R$ 9 milhões.

Questões como a duplicação da rua Dona Francisca e da Santos Dumont também entraram no rol de cobranças. Com custo estimado em R$ 20 milhões, seriam necessários pelo menos mais R$ 25 milhões para desapropriações. Isso inviabiliza a obra por enquanto, segundo a administração municipal. Mas o presidente da Acij afirmou que a entidade pedirá a estadualização das estradas.

— Vamos encaminhar documento solicitando que o governo estadualize as duas ruas e repasse algum dinheiro para essas obras necessárias para Joinville.

 

 DC Recomenda
 
 Comente essa história