Emergência do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres de Lages reabre nesta sexta-feira Vani Boza/Agencia RBS

A greve dos médicos no HNSP de Lages começou no dia 2 de maio

Foto: Vani Boza / Agencia RBS

Depois de seis dias de portas fechadas, o corpo clínico do Hospital Nossa Senhora dos Prazeres (HNSP), de Lages, decidiu, em assembléia nesta terça, aceitar uma das propostas da Secretaria Municipal e Estadual de Saúde e a direção do hospital. A emergência retomará os atendimentos na sexta-feira.

O aumento reivindicado pelos médicos era de R$ 50 para R$ 80 na hora de plantão, e de R$ 16,66 para R$ 26,66 na hora de sobreaviso, que representa um terço do valor da hora de plantão. A negociação consolidou em R$ 60 na hora de plantão e um terço no sobreaviso.

A emergência manterá os quatro especialistas presenciais, e acrescentará um especialista no sobreaviso, o que vai totalizar seis profissionais. Além disso, os especialistas receberão um valor adicional por chamada fora da hora do plantão e sobreaviso.

Segundo o secretário de saúde, Juliano Polese, foi instituído um fundo no valor de 1,6 milhões destinado a cobrir os custos médicos do HNSP. Esse valor vai ser subsidiado pelo município, juntamente com o Estado e o próprio hospital. A porcentagem pela qual cada um irá se responsabilizar ainda não foi definida.

Ainda segundo o secretário, o acordo firmado nesta terça garante o funcionamento da emergência até 31 de dezembro, porém, em um prazo de 120 dias, uma decisão definitiva deverá ser apresentada para o hospital. Essa decisão trará novos avanços para o hospital, como melhoria na estrutura e aumento das especialidades.

— O acordo é sim definitivo, desde que todos cumpram com suas responsabilidades.

O diretor do hospital, Canísio Winkelmann, acredita que o acordo veio tranquilizar a população lageana e regional.

— Foi uma conjunção de interesses. Quem sai ganhando com isso é a comunidade — afirmou.

Os municípios da Associação dos Municípios da Região Serrana (Amures), que utilizam o serviço de emergência e não se manifestaram a auxiliar financeiramente o HNSP continuarão podendo usufruir dos serviços. O secretário acredita que nos próximos 120 dias novas ideias surjam e que espera que esses municípios revejam suas obrigações.

— Cada município é responsável pelo serviço de urgência e emergência de seus munícipes. Lages reassume esse papel de servidor agora, mas novas alternativas terão que ser construídas para melhorar as condições de atendimento na região — disse.

Até a noite de amanhã o corpo clínico do hospital deverá repassar para a secretaria de saúde o documento que formalizará o acordo. Até lá os médicos reorganizarão suas escalas de trabalho, para na sexta-feira a emergência reabrir suas portas para Lages e região.

DIÁRIO CATARINENSE
 DC Recomenda
 
 Comente essa história