Pescaria Brava e Balneário Rincão devem estrear nas eleições em 2012 Maurício Vieira/Agencia RBS

Balneário Rincão era um distrito de Içara

Foto: Maurício Vieira / Agencia RBS

Em menos de um ano, dois municípios do Sul de Santa Catarina vão estrear nas eleições. Pescaria Brava e Balneário Rincão vão escolher em outubro de 2012 os primeiros prefeitos e vereadores. Mas o que eles herdam? Como eles começam?

Sem estrutura e sem dinheiro, no início vão ter que improvisar. Eles nasceram há pouco tempo, são os caçulas do Estado, e vão escolher os primeiros prefeitos e vereadores em outubro do ano que vem. Os primeiros meses de vida devem ser complicados.

Pescaria Brava, que se emancipou de Laguna, e Balneário Rincão, que era um distrito de Içara, começam do zero, sem infraestrutura definida. Brincando, se fala que nem cadeira de trabalho os futuros prefeitos têm.

Durante a transição do processo de emancipação, foram feitos inventários que definiram o que os novos municípios herdariam: os imóveis públicos, máquinas, veículos e outros bens seriam o ponto de partida para a implantação das novas prefeituras.

Em Pescaria Brava, a casa de alvenaria que abrigou, durante anos, um pequeno posto de saúde é o destino mais provável da prefeitura.

— Laguna é uma das cidades mais antigas do Brasil e até hoje a prefeitura nunca teve uma sede própria. Aqui também pode ser do mesmo jeito — opina a comerciante Inícia Andrade Martins, 54 anos.

Em Rincão, a sede da subprefeitura pode abrigar a futura prefeitura, mas alguns já admitem a construção de um novo prédio em um terreno perto da SC-444, a principal via da cidade.

Lista de prováveis candidatos aumenta

Mas os futuros prefeitos vão ter mesmo que improvisar. Como não há caixa e muito menos dinheiro, o jeito é pedir doações a empresas, ao próprio município-mãe e a órgãos estaduais.

Até outubro de 2012, os funcionários públicos que moram nas duas novas cidades podem escolher em qual prefeitura irão trabalhar. Se faltar gente para completar a administração o prefeito será obrigado a fazer concurso público.

Atualmente, os moradores acompanham a criação dos partidos e as negociações partidárias para a definição dos candidatos.

Em Pescaria Brava, a lista de possíveis candidatos a prefeito, que começou com Antônio Honorato e Deivison Souza, dois personagens-chave do processo de emancipação, pode ser completada ainda por Marcelo Mendes, Cleosmar Fernandes e Enaldo de Souza.

Em Rincão, já existem o PPS, PDT, PMDB, PP e PT e nesta "largada" antecipada os mais cotados para lançarem candidaturas a prefeito são Jairo Custódio (PMDB), que comandava a subprefeitura local e presidiu a comissão de emancipação, e Décio Góes (PT), ex-prefeito de Criciúma, ex-deputado estadual e que transferiu o título eleitoral para o novo município.

Pequeno povoado do interior

Falar em eleição em Pescaria Brava significa a oportunidade de desenvolvimento do distrito que foi criado por uma resolução provincial no dia 15 de maio de 1857. Entre as prioridades, estão a instalação de empresas ou indústrias para geração de empregos e melhor infraestrutura.

O novo município tem como principal característica a tranquilidade dos pequenos povoados do interior. Uma das principais atrações é a igreja Senhor Bom Jesus do Socorro, inaugurada em 7 de agosto de 1857. As opções de lazer são poucas: uma ou outra danceteria ou salão de baile em localidades como Siqueiro Atividades Esportivas.

Parte da população trabalha na pesca, engenhos de farinha ou nas pequenas fábricas de móveis e malharias. Mas a maioria bate ponto nas cidades vizinhas. Há três escolas estaduais e 10 municipais, e as reclamações sobre obras públicas básicas são muitas. Na localidade de Barreiros, não há serviço de abastecimento de água e os três programas de saúde da família (PSF) são insuficientes. Quem precisa de um tratamento melhor precisa se deslocar para outras cidades.

— Aqui, a gente precisa dos poços, a Casan nunca investiu aqui e passamos dificuldades — diz o comerciante Nilson Borges Cardoso, 42 anos.

Mas o "efeito emancipação" já trouxe pequenos avanços. Há quatro anos, parte da estrada de acesso entre o novo município e a BR-101 foi asfaltada e, recentemente, uma agência lotérica foi aberta em Barreiros, o que proporciona mais comodidade na hora de pagar contas e fazer jogos.

Apesar de ter mais de 150 anos, Pescaria Brava não tem um aspecto antigo. O padrão das moradias é bom e são poucas as pessoas quem vivem em condições de miséria.

Point na temporada de verão

Cerca de 15 mil pessoas vivem em Balneário Rincão. Durante a temporada de verão, o local recebe mais de 130 mil veranistas. O que a população quer é um equilíbrio, para que na baixa temporada o novo município também alcance um bom desenvolvimento social e econômico.

O Rincão do verão tem bares, restaurantes, festas, supermercados, lojas e milhares de pessoas que aquecem a economia local. A praia e as lagoas viram pontos turísticos superlotados.

Muitos dizem, em tom de brincadeira, que nessa época mais da metade da população de Criciúma, cidade vizinha, se muda para o balneário. Porém, nos nove meses seguintes, fora do período das férias de verão, a cidade fica praticamente deserta, com a pequena população local e o comércio restrito às lojas e poucos supermercados.

A pouca movimentação no balneário durante a baixa temporada também apresenta um ônus comum em outras cidades litorâneas e fruto de constantes reclamações: o alto índice de arrombamentos. Várias casas de uma mesma rua já foram arrombadas no mesmo dia, o que faz com que os moradores peçam mais segurança.

Há um posto da Polícia Militar, mas que não consegue inibir esse tipo de ação criminosa. Alguns moradores são cautelosos ao falar da emancipação e transformação do Rincão em município e não esperam um "milagre" de crescimento a partir de 2013, quando assume o primeiro prefeito eleito.

— Não estou muito confiante, por enquanto, espero que dê tudo certo, será bom para a nossa praia, mas é preciso ver as coisas acontecerem — diz Armando Lopes, 59 anos, dono de um posto de combustíveis no balneário.
 DC Recomenda
 
 Comente essa história