Avianca cancela cinco voos em SC e polícia é chamada para conter passageiros em Chapecó Darci Debona/Agencia RBS

Pesquisador em biotecnologia Joel Meira decidiu comprar bilhete de outra companhia aérea

Foto: Darci Debona / Agencia RBS

Cinco voos da Avianca em Santa Catarina foram cancelados entre sábado e domingo, gerando transtorno para centenas de passageiros. No sábado houve atrasado do voo de Florianópolis, que era para chegar às 13h45min em Chapecó, no Oeste, e chegou às 19h30min. Consequentemente a saída de Chapecó para Florianópolis também atrasou, quase seis horas. 

O voo de sábado à noite da Capital para o Oeste também foi suspenso. Com isso, não teve o voo das 6h de domingo de Chapecó para Florianópolis. Também foram cancelados os dois voos de domingo entre a Capital e o Oeste, além do voo das 15h40min de Florianópolis para São Paulo.

Os atrasos e cancelamentos geraram revolta nos passageiros. Em Chapecó a Polícia Militar foi chamada para conter os ânimos no aeroporto Serafim Enoss Bertaso.

Por fim, a maioria dos passageiros foi colocada em ônibus, que saiu às 16h de Chapecó e deveria chegar após às 2h em Florianópolis:

— Perdi uma formatura — reclamou o passageiro Élcio Sechetti.

Alguns optaram por não viajar de ônibus. O pesquisador em biotecnologia Joel Meira decidiu comprar bilhete de outra companhia aérea, na segunda-feira pela manhã. Como venceu sua diária de hotel, ligou para um amigo para ter onde dormir.

— Vamos encaminhar reclamações à Anac e ao Procon — desabafou.

Meira tinha uma reunião de trabalho com pesquisadores da Universidade de Mogi das Cruzes, no domingo pela manhã, em São Paulo.

— Tive que cancelar tudo — lamentou. Ele recebeu a informação que havia ocorrido um acidente na porta do avião causado pela escada de acesso.

O gaúcho Tarso Kist saiu às 9h30min de sua cidade, Pinheirinho do Vale, a 200 quilômetros de Chapecó, para conseguir um vôo às 13h45min para Cuiabá-MT. Ele iria visitar o pai que está doente, em Lucas do Rio Verde. Com o cancelamento, teve que ligar para o amigo que o levou ao aeroporto para retornar e buscá-lo.

— Não sei o que fazer, vou para casa decidir — disse. Uma das opções é ir a Porto Alegre.

Em Chapecó os funcionários da Avianca disseram que não poderiam fornecer informações. O mesmo ocorreu em Florianópolis. A reportagem do Diário Catarinense entrou em contato com o assessor de imprensa da Avianca e recebeu a informação de que os cancelamentos seriam apurados.
 DC Recomenda
 
 Comente essa história