Guias de turismo ensinam a história de Florianópolis aos turistas Alvarélio Kurossu/Agencia RBS

Não podem faltar explicações sobre o estilo arquitetônico das construções do Centro

Foto: Alvarélio Kurossu / Agencia RBS

Só no Portal Turístico da cabeceira continental da Ponte Pedro Ivo, mantido pela Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Esporte, são 15 profissionais, para dar breves orientações ou ainda para acompanhar os turistas em tours mais detalhados.

Nos passeios pelas ruas de Florianópolis não podem faltar as explicações sobre o estilo arquitetônico das construções antigas do Centro. Já lendas como da figueira da Praça XV, que às vezes são esquecidas pelos próprios moradores, arrancam risadas de quem é de fora.

O Diário Catarinense acompanhou grupos com guias de turismo pela cidade e elenca algumas dessas histórias.

A lenda da figueira

Os guias contam que a árvore, escorada em suportes de ferro, é centenária. Na Praça XV, de acordo com o guia, ela está acompanhada de plantas dos cinco continentes. A lenda diz que, quem dá uma volta na figueira da Praça, visita mais uma vez a cidade. Já duas voltas são para namorar e três, para casar. Se nada disso der certo, a pessoa tem de tomar chá da folha da árvore.

Os visitantes são avisados que as voltas têm de ser feitas no sentido horário. O guia turístico da prefeitura, Júlio César de Souza, de 49 anos, conta que a árvore foi replantada da frente da Catedral para a Praça no dia de um casamento. O padre teria dito, então, que, quem passasse pela figueira, casaria logo, dando origem à lenda. Verdade ou não, a história sempre gera risos e controvérsias entre os turistas.

A cultura açoriana

Enquanto a região de Blumenau tem influência alemã e o sul do Estado, italiana, a Capital de SC tem presença da cultura açoriana, como ressalta o guia Júlio César.

Nos passeios, se apontam as construções típicas da cidade, concentradas principalmente no Centro da cidade e no Ribeirão na Ilha.

O guia complementa com pequenas explicações da cultura açoriana. Segundo ele, nesses imóveis, os quartos das moças não tinham janela.

Era para evitar que as bruxas entrassem na escuridão e raptassem as moças — diz Júlio César.

:: Centrais de Atendimento

Portal turístico da cabeceira continental da Ponte Pedro Ivo 

Ponto de orientação no Terminal Rodoviário Rita Maria 

Centro de Atendimento ao Turista SC-401, próximo ao pedágio (em um convênio com a Associação Comercial e Industrial de Florianópolis e a Polícia Rodoviária Estadual).

Horário de atendimento: das 8h às 20h, todos os dias da semana. 

Para quem pode pagar: os guias da prefeitura, que podem ser encontrados nas centrais de atendimento, cobram pelos passeios pela cidade. O custo é de R$ 100 para guiar pelo Centro Histórico, de R$ 120, para passar pelo Centro e pelo Leste da Ilha e R$ 150, o passeio completo, incluindo os principais pontos de visita da cidade. Os passeios levam, em média, de quatro a seis horas.

 Veja também
 
 Comente essa história